Últimas Notícias
Saúde
Fiocruz entrega hoje mais 5,9 milhões de vacinas ao PNI

Por Agência Brasil

O Ministério da Saúde recebeu neste sábado (1º), 220 mil doses da vacina Oxford/AstraZeneca do consórcio Covax Facilit no aeroporto de Guarulhos em São Paulo.O lote faz parte da remessa de 4 milhões de doses dos imunizantes previstos para maio.

Crédito: Divulgação/Internet

O Ministério da Saúde recebeu neste sábado (1º), 220 mil doses da vacina Oxford/AstraZeneca do consórcio Covax Facilit no aeroporto de Guarulhos em São Paulo.O lote faz parte da remessa de 4 milhões de doses dos imunizantes previstos para maio.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) entrega hoje (28) mais 5,9 milhões de doses de vacina contra a covid-19 ao Programa Nacional de Imunizações (PNI). Outras 600 mil estão previstas para serem repassadas na segunda-feira (31).

De acordo com a instituição científica, maio se tornará o mês com o maior número de doses entregues desde o início da produção, com 21 milhões de doses entregues no total. As vacinas estão sendo distribuídas aos estados e municípios do país para aplicação conforme os critérios estabelecidos no PNI, que é gerido pelo Ministério da Saúde.

O imunizante foi desenvolvido em uma parceria entre a Universidade de Oxford e a farmacêutica inglesa AstraZeneca. Ainda no ano passado, elas firmaram com a instituição científica brasileira um acordo para transferência de tecnologia. A fabricação em larga escala no Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos da Fiocruz (Bio-Manguinhos) teve início em março deste ano.

De acordo com a Fiocruz, parte das vacinas que serão entregues no próximo mês estão em processamento final. Outra parte já está sendo submetida aos diferentes estágios de controle de qualidade. "Estão garantidas mais aproximadamente 18,5 milhões de doses, que sustentarão entregas semanais até 3 de julho", informou a instituição em nota.

Com os últimos dois repasses de maio, a Fiocruz irá totalizar 47,6 milhões de doses entregues desde o início do ano. Esse volume inclui 4 milhões que foram importadas prontas da Índia e que começaram a chegar ao Brasil em janeiro, antes da instituição científica brasileira iniciar sua produção.

Insumo

Por enquanto, o Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA), insumo mais importante para a produção da vacina, ainda está sendo importado. No fim de abril, a Anvisa deu aval para que a Fiocruz também possa fabricar o insumo. Assim, a expectativa é de que, em breve, a produção esteja 100% nacionalizada.

Na semana passada, a falta do IFA chegou a provocar a paralisação da fabricação das vacinas. Os trabalhos, que estavam suspensos no dia 20 de maio, foram retomados na terça-feira (25), após desembarcar no Brasil um novo carregamento do insumo proveniente da China.

Para dar sequência à produção, a Fiocruz tenta acelerar o recebimento das novas levas do IFA. "Com a capacidade de produção que a instituição já atingiu, caso a próxima remessa chegue ainda no início de junho, será possível aumentar as entregas do mês", informou.