Últimas Notícias
Polícia
Morto pela namorada
Mulher disse à polícia que agiu em legítima defesa; prisão preventiva foi mantida em audiência de custódia

Por Ana Cristina Andrade

Laudo do médico legista apontou que há lesões no corpo da mulher

Crédito: Mateus Medeiros

Laudo do médico legista apontou que há lesões no corpo da mulher

O marceneiro Leandro Giovani de Souza, de 36 anos, foi assassinado com dois golpes de faca, na noite de anteontem, pela namorada, de 28 anos, que confessou ter cometido o crime e alegou legítima defesa. Ela contou que estava apanhando do rapaz quando acabou cometendo o assassinato.

A briga aconteceu na residência dele, à rua Leonilda Rodrigues do Amaral, região do bairro Vila Sônia, em Piracicaba. Na casa estavam ainda dois filhos dela - com 4 e 7 anos -, mas, não se sabe se eles presenciaram o homicídio.

A mulher deixou o local após a morte dele, que ficou caído na cozinha bastante ensanguentado. Menos de uma hora após a equipe de perícia liberar o corpo para a funerária - já na madrugada de ontem -, policiais miltiares da 5ª Companhia descobriram que ela estava na casa de uma irmã e foram buscá-la.

A mulher contou na delegacia que, por volta das 21h30 estava sendo agredida pelo namorado e que por diversas vezes tentou se desvencilhar correndo até o portão e pedindo socorro.

Ela relatou para os PMs que Leandro pegou duas facas, colocou em uma janela e falou que ela só sairia viva dali se o matasse. Ela explicou que correu para a cozinha, momento em que ele se aproximou repetindo que se ela não o matasse ia morrer.

Segundo a polícia, ela disse que tomou a faca dele e ele a agarrou pelo pescoço tentando enforcá-la. Foi então que ela o golpeou duas vezes, atingindo os órgãos vitais.

Segundo o delegado Alex Adami, que estava de plantão na rua do Vergueiro, foi feito um laudo pelo médico legista o qual aponta lesões no corpo dela. Nesta semana, vizinhos e parentes da indiciada - e da vítima - deverão prestar depoimento. Ela não possuía antecedentes criminais.