Últimas Notícias
Volta às escolas
Aglomeração na sala
E.E. Pedro Moraes Cavalcanti está passando por dificuldades para acomodar alunos após retomada

Por Larissa Souza

37 alunos do 6 ano estão dividindo uma sala apertada da Escola Estadual Pedro Moraes Cavalcanti

Crédito: Mateus Medeiros

37 alunos do 6 ano estão dividindo uma sala apertada da Escola Estadual Pedro Moraes Cavalcanti

Os alunos do 6 B da Escola Estadual Pedro Moraes Cavalcanti estão estudando em duplas, em uma sala pequena, devido à falta de uma sala maior para acomodá-los. A informação é de duas mães de alunos matriculados na instituição, que estão preocupadas com a aglomeração dos estudantes, visto que muitos ainda não tomaram a vacina do coronavírus.

Uma delas, a pedagoga Patrícia Martins Herculi, contou que o 6 B, que é a turma de seu filho, foi escolhido para utilizar a sala porque tem 37 alunos, seis a menos do que as outras classes. De acordo com ela, há mais de um ano uma empresa iniciou uma obra para a construção de duas salas de aula na escola, mas a abandonou tempo depois. Depois disso, a obra não foi retomada por outra empresa.

Patrícia falou que a diretoria da escola e o corpo docente da instituição têm se empenhado para oferecer aos alunos atividades externas como forma de evitar a aglomeração mas, mesmo assim, as crianças ainda precisam permanecer na sala por um longo período. Ela disse, ainda, que os estudantes estão sentando em duplas para que os alunos do fundo consigam enxergar a lousa. "Alguns ainda não tomaram a vacina, meu filho é um deles, porque ele tem 11 anos", comentou.

A autônoma Márcia Aparecida Spada da Rocha também está preocupada com a situação. Segundo ela, seu filho, de 11 anos, relatou que a sala é muito apertada e quente, e que é difícil enxergar o conteúdo da lousa. "Os professores deixam que eles saíam para ir no bebedouro tomar água, mas, na verdade, esse local não tem o padrão de uma sala de aula", comentou.

Márcia e Patrícia reiteram que a escola sempre forneceu todo o suporte necessário para os alunos e lamentam que a paralisação da obra tenha colocado tanto os alunos quanto a diretoria e os professores nessa situação. "Os professores e funcionários também estão sofrendo. É difícil dar aula desse jeito", comentou Márcia.

Em resposta aos questionamentos sobre o problema, a prefeitura disse que abriu um processo administrativo e multou a empresa responsável pela obra, que consistia na construção de duas salas de aulas, três banheiros, além da reforma do pátio interno. De acordo com a Administração, a empresa não poderá mais firmar contrato com o município. "Está em processo final uma nova licitação para contratação de empresa e conclusão dos serviços que são, basicamente, de acabamento. A licitação será publicada em dezembro", completou.