Últimas Notícias
Polícia
Ilícitos nas prisões
Foram 16 apreensões de drogas em 2021 no CDP de Piraciciaba

Por Ana Cristina Andrade

Também foram encontrados dois aparelhos celulares, no dia 26 de outubro

Crédito: SSP/Divulgação

Também foram encontrados dois aparelhos celulares, no dia 26 de outubro

A Penitenciária Masculina e o Centro de Detenção Provisória (CDP), de Piracicaba, fizeram desde o início deste ano, até o mês de outubro, 16 apreensões de drogas. Do total, 13 foram na Penitenciária (10 na área externa) e três que chegaram por correspondência. Nessa unidade também foram encontrados dois aparelhos celulares, no dia 26 de outubro, um deles estava escondido em um pacote de balas e outro, na costura de um cobertor.

São muitas as tentativas de entrar nas unidades com objetos ilícitos, ou enviar por correspondências, mas a Secretaria da Administração Penitenciária afirma que tem como política não tolerar a entrada de ilícitos em suas unidades prisionais.

Para que isso não aconteça, todos os Centros de Detenção Provisória, Penitenciárias e Centros de Progressão Penitenciária do Estado contam com escâner corporal. As unidades prisionais do Estado também estão equipadas com aparelhos de Raio-X de menor e maior porte, além de detectores de metais de alta sensibilidade.

Esses equipamentos, de acordo com o coordenador das Unidades Prisionais da Região Central, Jean Ulisses Campos Carlucci, ajudam a coibir a entrada de ilícitos. Há uma vigilância constante dos agentes de segurança, que com o auxílio do Setor de Inteligência da Pasta fazem revista minuciosa nas mercadorias enviadas pelos familiares dos reeducandos para impedir a entrada de ilícitos nas unidades prisionais.

"As apreensões que ocorrem na área externa são aquelas encontradas dentro do perímetro da unidade e que são resultados das revistas que nossos valorosos servidores fazem", declarou.

Quanto às tentativas de entregar correspondências com esses ilícitos, embora ousadas elas são fracassadas, de acordo com Ulisses. "Nossos agentes de segurança penitenciária são altamente qualificados para reconhecer as mercadorias fraudadas", explicou. "Possuímos equipamentos de alta tecnologia, que nos auxilia a detectar as irregularidades. Isso ocorre tanto com as mercadorias enviadas, quanto as que estão sob a posse do próprio visitante", acrescentou o coordenador.

Perda de benefícios

Jean Ulissses Campos Carlucci ressaltou que este tipo de tentativa só prejudica o apenado que iria receber o material ilícito, uma vez que ele vai responder criminalmente e disciplinarmente.

"O Juízo de Execução Criminal pode regredir o regime de cumprimento da pena, além de interromper outros benefícios processuais. Com relação aos familiares, o remetente da correspondência responderá a procedimento administrativo, podendo ser suspenso do rol de visitas temporariamente, além de responder na esfera penal", observou.