Últimas Notícias
Região Metropolitana
Recursos para o sistema de saúde
Em Piracicaba, vice-governador anuncia verba para o Hospital Regional, ampliação do Programa Mais Santas Casas e instituição do Corujão da Saúde

Por Romualdo Cruz Filho

Anúncio aconteceu durante a 1ª Reunião do Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Piracicaba

Crédito: Mateus Medeiros

Anúncio aconteceu durante a 1ª Reunião do Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Piracicaba

Durante a 1ª Reunião do Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Piracicaba, o vice-governador de São Paulo, Rodrigo Garcia (PSDB), anunciou três decisões que devem causar impacto positivo na melhoria do sistema de saúde da região. O Hospital Regional (HR) vai receber R$ 100 milhões anuais, o dobro do orçamento atual e atingirá sua capacidade plena de atendimento. Haverá ampliação do Programa Mais Santas Casas. E será instituído o Corujão da Saúde.

Com o novo orçamento, o HR vai alcançar sua capacidade máxima, passando dos atuais 60 para 110 leitos, o que permitirá também o aumento em 50% no volume de exames realizados, além de triplicar a quantidade de cirurgias de média e alta complexidade, com acréscimo de especialidades que não são contempladas na contratualização vigente. A expectativa é de que essa meta seja alcançada até junho de 2022, segundo o vice-governador. "Será um processo gradual, mas que dará maior robustez ao atendimento das 26 cidades que compõem a RMP", disse.

Por meio dessa expansão, será possível realizar mil procedimentos cirúrgicos mensalmente, entre eletivos, ambulatoriais e de Hospital-Dia, mais que o triplo do atualmente contratado, de 300 por mês. O número de atendimentos no ambulatório médico também crescerá cerca de três vezes, chegando a 4,8 mil consultas mensais, contra 1,7 mil até então. Novas especialidades passam a integrar o rol da unidade, incluindo Urologia, Buco-Maxilo e Cirurgia Plástica, entre outras.

O número de exames ofertados à rede de saúde regional também crescerá 50%, passando de 1,2 mil para 1,8 mil, incluindo diagnósticos por imagem como endoscopia, tomografia e ressonância magnética. Os serviços serão expandidos gradativamente, com aumento da produção a partir deste ano, e o hospital terá a sua produção plena em setembro de 2022.

O secretário de Saúde do Estado de São Paulo, Jean Gorinchteyn, explicou que o programa Mais Santas Casas terá também recursos para outras instituições filantrópicas, o que ampliará a base de atendimento médico na rede pública de saúde, com a disponibilização de um volume de recursos 15% acima do montante atual e a ampliação de 15 novas entidades beneficiadas. "Cada região terá assim sua auto-suficiência na saúde, com apoio a instituições que estavam bem fragilizadas".

Barragem do Corumbataí

Rodrigo Garcia falou também da liberação de recursos para a construção de barragem do rio Corumbataí. Obra que necessita da elaboração de um projeto executivo e da desapropriação da área onde será a instalação do reservatório, o que dependem dos municípios que compõem a RMP. "O Estado entra com a execução e custeio da obra em si, já as fases preliminares ficam por conta dos municípios que compõem o Consórcio das Bacias do PCJ", explicou. Segundo o vice-governador, se tudo for feito com a celeridade necessária, com base em outros exemplos no Estado, o reservatório pode ser iniciado daqui a sete meses.

Marcos Penido disse que o objetivo dos investimentos na RMP é acelerar o processo de universalização do saneamento básico, previstos para 2033, segundo o Marco do Saneamento. "Há municípios que já têm solução para os seus problemas, outros ainda não têm. Precisamos, com esse trabalho regionalizado, racionalizar e otimizar os ativos, definindo investimentos por essa ótica da integração, uma vez que estamos falando de cerca de 1,5 milhões de habitantes. E assim, fazer com que os recursos destinados às obras de saneamento possam gerar emprego e renda, alavancando o desenvolvimento econômico da região como um todo".

Segundo ele, somente para o barramento do Corumbataí, dentro do Programa Água é Vida, com capacidade para acumular mais de 1,7 bilhão de litros de água, beneficiará diretamente nove municípios, para o qual serão destinados pelo menos R$ 54 milhões. "Trata-se de um empreendimento que nos dará maior resiliência no enfrentamento dos eventos climáticos, para que eles não nos peguem de saia justa e possamos ter garantido o bem maior, que é a água".

Luciano Almeida disse que a partir de agora todos os trabalhos da RMP terão como objetivo definir políticas públicas para a região. "Não adianta um município estar bem e o outro não. Não adianta a gente ter água e o vizinho não. Quando falamos em Região Metropolitana de Piracicaba estamos falando de municípios com interesses em comum e que buscam o desenvolvimento regional sustentável". O objetivo do encontro foi definir a base do Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado (PDUI) e o perfil da região para desenvolvimento em áreas prioritárias, como saúde, meio ambiente e mobilidade urbana.

O evento foi realizado ontem, no Teatro Erotides de Campos, Engenho Central, com reunião de trabalho no Espaço Beira-Rio. Participaram do encontro, além do vice-governador e do prefeito de Piracicaba Luciano Almeida, presidente da RMP, os secretários estaduais de Infraestrutura de Meio Ambiente, Marcos Penido, e da Saúde, Jean Gorinchteyn, os deputados estaduais Roberto Morais (Cidadania), Alex de Madureira (PSD) e Murilo Félix (Podemos), o Promotor de Justiça do núcleo Gaema PCJ-Piracicaba, Ivan Carneiro, prefeitos e prefeitos da RMP, além de vereadores da cidade e demais autoridades.