Últimas Notícias
Orgulho de Piracicaba
Esalq: 120 anos de história
Em entrevista à Gazeta, diretor do campus, professor Durval Dourado Neto, conta um pouco sobre a instituição

Por Romualdo Cruz Filho

Esalq nasceu em 1901, do sonho do visionário Luiz Vicente de Souza Queiroz

Crédito: Mateus Medeiros

Esalq nasceu em 1901, do sonho do visionário Luiz Vicente de Souza Queiroz

Aos 120 anos de sua fundação, a Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz/ Universidade de São Paulo (Esalq-USP) é um orgulho para Piracicaba. Seu mérito como centro de pesquisa extrapolou as fronteiras nacionais e tem sido citada sistematicamente entre as melhores instituições de Ciências Agrárias do Mundo, de acordo com o ranking da rede americana US News.

Em entrevista à Gazeta de Piracicaba, o diretor do campus, professor Durval Dourado Neto, conta um pouco sobre a instituição e a estratégia de um projeto gigante e coletivo, que se desenvolve diariamente nas salas de aula, nos laboratórios, no campo, na indústria, nas conferências nacionais e globais.

Segundo ele, o sucesso da instituição está diretamente relacionado ao capital humano formado. "Nosso aluno é valorizado como profissional pleno e um cidadão apto para contribuir com o futuro do país". Para o professor, o contexto nacional e mundial demanda essa perspectiva idealista, determinada e dinâmica de formação, capaz de influenciar assertivamente na construção de um futuro melhor.

"Os egressos", afirma, "têm o privilégio de compor um rol de especialistas com alto nível de competência, preparados para o futuro, que ajudam a ampliar o universo da ciência e da tecnologia. A desenvoltura da Esalq se dá também pela sua participação ativa do grande momento do agronegócio brasileiro, responsável pelo superávit da balança comercial, com enorme influência no PIB, devido às exportações e, sobretudo, pela geração de empregos, proporcionando grande ajuda ao país em momentos de crise, como este da pandemia do novo coronavírus".

Sendo assim, “os alunos se tornam agentes multiplicadores da educação, a partir de um conhecimento que pode influenciar destinos para a conquista de uma sociedade mais justa e um planeta firmado na sustentabilidade". Esse norte seria a força motriz conceitual e ética de um processo contínuo e resultados dimensionáveis. "Contabilizamos mais de 16.480 graduados entregues à sociedade e atingimos a significativa marca de mais de 10.518 mestres e doutores ao longo da existência da nossa instituição", sintetiza o professor.

Graduação

A oferece sete cursos de graduação: Bacharelados em Engenharia Agronômica, Engenharia Florestal, Ciências Econômicas, Ciências Biológicas, Ciência dos Alimentos e Administração; Licenciatura em Ciências Agrárias e Ciências Biológicas. O objetivo é sempre muito claro e de amplitude: formar profissionais que ocupam posições de destaque no cenário político e científico do país, em âmbito nacional e internacional, nas áreas de ciências agrárias, ambientais, biológicas e sociais aplicadas.

Nasce um sonho

A Esalq/USP nasceu em 1901, do sonho do visionário Luiz Vicente de Souza Queiroz, doador da Fazenda São João da Montanha ao governo do Estado de São Paulo, para criação de uma escola agrícola, a fim de contribuir com o desenvolvimento do agronegócio no país.

Até 1934, a instituição fez parte da Secretaria de Agricultura do Estado de São Paulo. A partir de então, passou a integrar a USP, como uma de suas unidades fundadoras.

Considerada um centro de excelência, possui sete cursos de graduação, em 1964, a Esalq foi a primeira unidade da USP a implantar programas de pós-graduação. A expansão das competências da Esalq também pode ser traduzida nos índices de inserção internacional. São inúmeros convênios e programas de intercâmbio e de dupla diplomação estabelecidos com instituições de igual reputação em vários países, como serão apresentados nesta edição.

O número expressivo de profissionais formados pela Esalq constitui um dos principais fatores do vigoroso desenvolvimento do agronegócio em geral e da defesa das instâncias ambientais, biológicas e sociais. (com Caio Albuquerque/Esalq)