Últimas Notícias
Dia do Grafite
Muros com Arte
Nesta edição, 17 escolas de Piracicaba participaram com o envio de 365 desenhos; três venceram

Por Larissa Souza

Participantes do projeto Muros com arte

Crédito: Mateus Medeiros

Participantes do projeto Muros com arte

O aluno Wilson de Souza Júnior, do 9º ano B da Escola Estadual Adolpho Carvalho, foi um dos vencedores do “Muros com Arte”. Ele recebeu 979 votos em seu desenho, classificando a escola para participar do “Dia do Grafite”, e receber uma pintura em um de seus muros, em grafite, do desenho do estudante.

Na tarde de ontem, o grafiteiro e muralista Diógenes Moura fez uma oficina de grafite com Wilson e outros 12 alunos que participaram do projeto e depois pintou o muro com eles.

O projeto é desenvolvido pela Horizonte Educação e Comunicação, em parceria com o Governo do Estado de São Paulo e diretorias de ensino. Ele consiste em uma sequência de atividades que são promovidas para incentivar a alimentação saudável e levar informação sobre a arte do grafite. Ao final do ciclo, os alunos têm a opção de enviar desenhos para que sua escola concorra ao “Dia do Grafite”, uma tarde em que um grafiteiro de referência na cidade realiza um workshop sobre grafite e, depois, faz a pintura do muro, com a contribuição dos estudantes.

O “Muros com Arte” utiliza recursos do Proac (Programa de Ação Cultural) e do supermercado Coop (Cooperativa de Consumo).

Nesta edição, 17 escolas de Piracicaba participaram, com o envio de 365 desenhos, e três venceram.

A escola Adolpho Carvalho enviou 20 desses desenhos, de alunos do 6º ao 9º ano. Para o diretor da instituição, Felipe Calori, a conquista mostra a união dos estudantes e da comunidade. “Eu saía na rua e escutava no mercado as mães falando ‘você já votou no Wilson?”, contou. Ele lembrou que a arte do grafite é fundamental para preservar os muros das escolas de pichações e depredações.

Wilson, o vencedor, disse que foi bastante incentivado a participar do concurso. “Estou muito feliz”, falou.

O grafiteiro Diógenes reforça que o projeto é importante para a identidade cultural dos alunos. “Para que cada indivíduo se sinta pertencente ao seu espaço”, disse. Ele também acredita que a iniciativa auxilia na viabilização de “novas formas de pensar e de fomentar a cena artística da cidade”.