Últimas Notícias
Dia da Independência
Solenidade em frente ao Centro Cívico
Banda União Operária de Piracicaba executará o Hino Nacional Brasileiro e o da Independência

Por Da redação

Evento acontece hoje, às 10h, na rampa de acesso ao Centro Cívico

Crédito: Mateus Medeiros

Evento acontece hoje, às 10h, na rampa de acesso ao Centro Cívico

Em homenagem ao Dia da Independência do Brasil, a Prefeitura realizará cerimônia hoje, às 10h, na rampa de acesso ao Centro Cívico Cultural e Educacional Florivaldo Coelho Prates. O evento será aberto ao público e seguirá todos os protocolos de prevenção ao coronavírus, como o da obrigatoriedade do uso da máscara. A solenidade, geralmente, é realizada na praça José Bonifácio que, nesta terça-feira, será utilizada por dois grupos de manifestantes.

A banda União Operária de Piracicaba executará o Hino Nacional Brasileiro e o da Independência, na abertura e encerramento da cerimônia. Participarão do evento o prefeito Luciano Almeida, o diretor do Fórum de Piracicaba, Marcos Douglas Veloso Balbino da Silva, o presidente da Câmara de Vereadores, Gilmar Rotta, e outras autoridades.

No evento, o professor de história Armando Alexandre dos Santos, representante do IHGP (Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba), fará uma breve apresentação sobre a importância da data. “O 7 de Setembro é uma referência para nós e deve ser comemorado. No entanto, o processo de independência é longo e não se esgota em apenas um dia. O Brasil lentamente foi se emancipando da Coroa Portuguesa mais ou menos como acontece com um adolescente que vai se transformando em adulto. O adulto, legalmente, é aquele que completou 18 anos. Até então ele está sujeito ao pátrio poder. Mas, o amadurecimento de uma criança não se dá no dia em que ele completa 18 anos. Começa muito antes e continua para muito depois. Assim também foi a independência do Brasil: um longo processo”, explica Santos.

Para o presidente do IHGP, Pedro Vicente Ometto Maurano, as datas cívicas são importantes para a formação cultural de uma sociedade e para compor os valores que norteiam a vida pública. “O 7 de Setembro é um marco histórico. Evidentemente não podemos analisá-lo como um momento estanque e conclusivo, mas sim como parte de um movimento nacional de construção da nossa identidade como nação. Um processo que se estende das origens do Brasil até os dias atuais”, disse.