Últimas Notícias
Acipi e Sebreae
Uma retomada segura
Pessoas e as empresas devem se preparar para dar novo ritmo às atividades

Por José Ricardo Ferreira

Invista no planejamento. Planejamento sempre foi muito importante

Crédito: Fernando Frazão/Agência Brasil

Invista no planejamento. Planejamento sempre foi muito importante

Com o recuo da pandemia do novo coronavírus o que mais se ouve falar é sobre os planos de retomada. Como as pessoas e as empresas devem se preparar para dar novo ritmo às atividades.

Quando o assunto são os negócios, o histórico dos últimos meses é de bastante insegurança, mas agora o norte indicado é o planejamento. Houve impacto nas empresas e a busca por muito tempo será a de superar a crise. Criatividade, inclusive digital, não faltou e certamente a tecnologia fará parte do dia a dia da grande maioria dos empreendedores, mesmo que seja com um modesto celular em mãos.

Mas quais ações práticas devem ser tomadas para que a volta às atividades não se transforme em mais prejuízos? “É importante que se adote práticas simples, como ter, minimamente, uma reserva de caixa”, aconselha o presidente da Acipi (Associação Comercial e Industrial de Piracicaba), Marcelo Cançado.

Juliana Almeida Chehouan Franco de Souza é gestora de negócios do Sebrae SP – Regional Piracicaba. Graduada em administração pela FAAP (Fundação Armando Álvares Penteado), pós-graduada pela Business School SP Master em Finanças, especialista em custos e controladoria pela FGV e Mestre em Administração pela Faccamp, ela entende que o caminho não é tão complexo, mas tudo passa por planejamento.

A pedido da Gazeta, ela elaborou dicas nesse primeiro momento de retomada da economia. Vamos a elas:

1 - Invista no planejamento. Planejamento sempre foi muito importante. Não planejar é um dos principais motivos de insucesso das empresas. Nos tempos de hoje planejar é vital para a sobrevivência do seu negócio, pensando sempre na necessidade de estar preparado para as mudanças que sido constantes.

2 - Reveja seu negócio. Com a retomada econômica é importante rever o seu modelo de negócio, se deve continuar como está ou se será necessário mudar alguma coisa.

3 - De olho no Caixa. Controle tudo. Quem não tem controle não consegue fazer gestão e tomar decisões. Controle as entradas e saídas de caixa, projete as movimentações futuras de contas a pagar e a receber em um fluxo de caixa e faça análises.

4- Capital de Giro, de olho nos prazos de recebimentos e pagamentos. Você dá prazo para seus clientes, vende com cartão de crédito? Então precisará ter boas condições de seus fornecedores para não criar um “buraco” no seu fluxo de caixa. Nesse momento, pós-crise, os caixas estão mais justos e essas negociações são cruciais. Não faça gestão apenas por faturamento. Conheça o lucro da sua empresa.

5 - Conheça seu cliente. Não é fácil agradar a todos. Para quem seu negócio está direcionado? Invista em conhecer os novos hábitos pós-pandemia desse cliente. Será que são os mesmos de antes?

6 - Escolha o melhor canal para seu cliente. Os clientes passaram a comprar mais pela internet? Onde eles buscam esse tipo de produto ou serviço? Você está atento às mudanças e aos novos canais como possibilidade de alavancar vendas?

7 - Analise a concorrência. Muitas empresas fecharam nesse período, mas muitas abriram as portas e com propostas inovadoras. Fique de olho.

8 - Você considera opções de fornecedores? Negocie as melhores condições. Se possível, trabalhe com o dinheiro dele, negociando prazos para desafogar o caixa. Como já citado, existem muitas empresas novas no mercado, com produtos inovadores e condições diferentes.

9 - E por fim, mas não menos importante: não se esqueça de você. Comportamento empreendedor é fundamental. Você já ouviu falar nas 10 características do comportamento empreendedor? Conheça o Empretec.

Características

Juliana Souza explica que cada segmento tem um perfil de retomadas. Uns terão mais facilidade. “Com a indústria e o comércio praticamente parados por todo esse tempo, essas empresas começam a retomar suas atividades agora após sofrerem muito com essa crise. O destaque vai para o agronegócio, setor que passa por essa crise e sai fortalecido, com poucos estragos. As empresas precisam se reinventar. As necessidades mudaram, as possibilidades de canais aumentaram e o cenário exige mudança rápida. Nesse sentido, as empresas de tecnologia e as que oferecem serviços online e à distância saíram na frente”, explicou ela.

Indagada sobre alguns perigos nesse momento, a gestora de negócios do Sebrae reforça que jamais subestime a importância do planejamento e da gestão. “Não há tempo para errar nem caixa suficiente para isso. As decisões têm que ser acertadas e baseadas em histórico, em análises de cenários e considerando os ambientes interno e externo”, explicou.

As entidades empresariais também estão procurando orientar seus membros. É o caso da Acipi (Associação Comercial e Industrial de Piracicaba).

Presidente da Acipi, Marcelo Cançado diz que “a segurança de todos está em primeiro lugar, sempre”. Em sua análise, a retomada é algo natural, gradativa e com cautela sanitária.

Ele também diz que a vacina contra a Covid-19 é sinônimo de esperança para voltar à "normalidade". Frisou ainda que todos precisaram aprender a lidar com a conjuntura que se formou em meio à pandemia. “Nas empresas, com os empresários, os profissionais, de modo geral, também ocorreu dessa forma: atendimento diferenciado, online, com as restrições e adequações necessárias; reavaliação de suas ações e dia a dia nos negócios etc. Acreditamos que, de qualquer forma, cada vez mais, diante de uma situação ainda de incerteza, teremos de continuar a buscar alternativas para que a retomada total possa ocorrer mesmo que dentro de um campo de limitações, se for o caso”.

Cançado também reforça a importância do planejamento que sempre deve existir e ainda mais nestas situações de crise. É importante que se adote práticas simples, como ter, minimamente, uma reserva de caixa, por exemplo. O que, muitas vezes, só é lembrado em momento de baixas vendas. A reserva, explica ele, se mostrou extremamente necessária neste período, quando muitos estabelecimentos, inclusive, tiveram de ficar fechados por muito tempo e isso impactou na saúde financeira dos negócios. “Muitos, inclusive, tiveram de fechar as portas”.

Quem tem a possibilidade de contar com o apoio de consultores financeiros, profissionais que possam auxiliar na análise do negócio, pode se beneficiar dessas dicas, segundo ele.

Há também cursos e conteúdos gratuitos na internet. “Durante a pandemia, tivemos dois congressos empresariais gratuitos e online”.

A análise de estoque, bem como dos preços também deve ser algo rotineiro dos estabelecimentos/empresas. Assim como o fluxo de caixa, a avaliação deve ocorrer ainda mais minuciosamente nestes períodos.

“A respeito dos deliveries e vendas online, acreditamos que possa ser uma realidade que continuaremos a utilizar”, afirmou. Assim como o home-office, em alguns casos, tais práticas poderão ser um auxílio ou uma alternativa a mais para o dia a dia das empresas.

“O momento é de cautela, mas também é preciso olhar para o futuro”, diz Cançado. “A Acipi, por exemplo, firmou parceria e divulgou diversas linhas de crédito para auxiliar os associados que passam dificuldades neste período”, falou o dirigente empresarial lembrando que de janeiro a maio deste ano R$ 323,7 mil foram liberados em créditos para associados da entidade.

No caso da ACCrédito, por meio da Facesp (Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo), as linhas de créditos visam oferecer alternativas, além de facilidade para pequenas empresas, sendo mais vantajosas e com taxas reduzidas.

Cançado frisou ainda que as recontratações estão com saldos positivos em alguns setores. “Sempre, claro, somos otimistas para a ampliação do número de empregos na cidade”, disse ele. “É hora, sim, de refletir, traçar ou retraçar o planejamento necessário dentro de cada demanda e particularidade”.