Últimas Notícias
Jogos Olímpicos
Atletismo brasileiro em Tóquio 2020
Esportistas olímpicos do Brasil competem neste domingo (1º)

Por Da redação

LIMA, PERU - May 25:  Alison Santos of Brazil competed 400 Metres Hurdles during the South American Championship at the South American Athletics Championships on May 24, 2019 in Lima, Peru (Photo Wagner Carmo / CBAt)

Crédito: ©Wagner Carmo

LIMA, PERU - May 25: Alison Santos of Brazil competed 400 Metres Hurdles during the South American Championship at the South American Athletics Championships on May 24, 2019 in Lima, Peru (Photo Wagner Carmo / CBAt)

O atletismo deu largada nos Jogos Olímpicos de Tóquio com uma comemoração e três frustrações para o Brasil. Alison dos Santos, o Piu, confirmou o favoritismo ao se garantir nas semifinais dos 400 metros com barreiras, no melhor resultado brasileiro na noite da quinta-feira, pelo horário brasileiro (manhã de sexta no Japão). Fernando Ferreira e Thiago Moura foram eliminados no salto em altura e Altobeli Silva não avançou nos 3.000 metros com obstáculos.

Hoje pela manhã (9h05 de Brasília), o brasileiro volta à pista para buscar vaga na decisão. Sua meta nas semifinais é correr abaixo dos 47 segundos, numa demonstração que se poupou na classificatória.

Sorridente e muito tranquilo, Piu festejou sua vaga às semifinais com a segunda marca na sua classificatória dos 400 metros com barreiras. O brasileiro é esperança de medalha para o país e correu em 48s42 para se garantir sem sustos. Ficou atrás somente de Abderrahman Samba, do Catar, que o superou por 4 décimos.

Finalista nos Jogos do Rio-2016 e campeão no Pan de Lima-2019, Altobeli Silva esperava repetir a dose nos 3.000 metros com obstáculos em Tóquio para tentar buscar uma sonhada medalha. Sua concentração era tão grande que usou as redes sociais para reclamar de atletas "pouco concentrados" e ouvindo músicas em alto e bom som na Vila Olímpica.

Trabalhou muito, se esforçou, mas acabou no 10º lugar no geral, com 8min29s17, fora da final. A eliminação o deixou bastante chateado por não cumprir a missão de ir até a final. "Estou me sentindo muito mal, chateado", lamentou, em entrevista ao canal SporTV.

O desabafo foi grande. "Sei o quanto eu treinei, o quanto batalhei, o quanto abri mão", declarou. "É uma frustração muito grande, porque quando você não treina, não se dedica, dá 'migué', vai para festinha, é uma coisa. Mas quando você abre mão de tudo isso, se isola, espera um ótimo resultado e acontece o que aconteceu, eu sinceramente fico sem entender."

A frustração também atingiu os representantes do Brasil no salto em altura. Fernando Ferreira e Thiago Moura ficaram fora das finais ao não conseguirem superar 2,25 metros.

 

Coragem

 

A coragem de Simone Biles para enfrentar os desafios da saúde mental é admirável, afirmou o presidente do Comitê Olímpico Internacional, Thomas Bach, a um pequeno grupo de repórteres na Olimpíada de Tóquio na sexta-feira (30). “Posso apenas dizer que, sabe, estamos com ela”, disse o alemão que lidera o Comitê Olímpico Internacional.

Biles abalou o mundo olímpico na terça-feira (27), quando decidiu abandonar a final por equipes da ginástica artística após um único salto. A equipe norte-americana da qual faz parte ficou com a prata.

A atleta de 24 anos, então, passou a falar com uma franqueza notável sobre os demônios que vivem em sua cabeça. “Preciso dizer, pessoalmente, tive a oportunidade de falar brevemente com ela após a prova por equipes... estou realmente admirado com a maneira como ela está lidando com a situação”, disse Bach, campeão olímpico na esgrima nos Jogos de 1976.

“Ela admite que tem este problema. Isso já é corajoso. Quem um ano atrás teria admitido ter problemas de saúde mental?”

“E ao mesmo tempo, torcendo pelas companheiras. E estando lá, torcendo, com a sua sucessora na final do individual geral? É, sabe, uma grande qualidade humana e o espírito olímpico na sua melhor forma.”

Sunisa Lee venceu a medalha de ouro no individual geral na quinta-feira (29). Biles torceu por ela das arquibancadas do Centro Ariake de Ginástica.

 

Programação

 

Com três medalhas na Rio-2016, Isaquias Queiroz, um dos destaques da programação de hoje, estreia em Tóquio em dupla com Jacky Godmann na canoagem velocidade C2-1.000 m a partir de 22h05 de Brasília. Se chegar à final, ele disputa medalha amanhã (2), às 23h54 de Brasília. Vôlei feminino entre Brasil e Quênia será às 9h45.

A partir das 23h, saem os primeiros campeões de boxe. Serão seis dias seguidos de pódio até o término dos Jogos.

Já na terça-feira (3) é a vez do atletismo com as finais do salto com vara às 7h20.

Também haverá maratona aquática. A brasileira Ana Marcela Cunha busca medalha a partir das 18h30 de Brasília.

Depois do street, é a vez do skate park: a partir de 21h, as mulheres; e no dia seguinte, no mesmo horário, os homens. A britânica Sky Brown, com 13 anos completos no último dia 7, é uma das mais jovens da Olimpíada