Últimas Notícias
GERAL
Estado do Rio identifica nova cepa do coronavírus
Um estudo feito pela secretaria estadual de Saúde do Rio de Janeiro identificou uma nova variante do vírus da covid-19 em circulação no Estado do Rio

Por Estadão Conteúdo

Crédito: Divulgação/Internet

Um estudo feito pela secretaria estadual de Saúde do Rio de Janeiro identificou uma nova variante do vírus da covid-19 em circulação no Estado do Rio. A cepa recebeu o nome de P.1.2, por se tratar de uma mutação ocorrida na linhagem P1, identificada em Manaus.

Foram submetidos a monitoramento genômico 476 amostras do vírus, colhidas em 57 municípios do Estado e avaliados pelo Laboratório Central Noel Nutels (Lacen/RJ) entre os dias 24 de março e 16 de abril. A linhagem P1 é a predominante, correspondendo a 91,49% das amostras. A P.1.2 foi identificada em 5,85% delas. Também foram identificadas, em menores proporções, as linhagens B.1.1.7 (2,13%) e P2 (0,53%).

"A nova variante foi encontrada principalmente na região norte do Estado, mas também em amostras na região metropolitana, do centro e baixada litorânea. Até o momento não se pode avaliar se é mais transmissível e/ou letal", contou a subsecretária estadual de Vigilância em Saúde, Cláudia Mello, que foi a idealizadora da pesquisa. O estudo continua, para monitorar os efeitos dessa variante.

A linhagem P1 se mantém presente em quase todas as regiões do Estado e a P2, nas regiões norte e baixada litorânea. A variante B.1.1.7 foi identificada em todas as regiões, exceto na Baixada Litorânea.

Este estudo faz parte de uma das maiores iniciativas na área de sequenciamento do vírus da covid-19 no Brasil, que prevê análise de cerca de 4.800 amostras em seis meses, sendo aproximadamente 400 a cada 15 dias.

"O sequenciamento é muito importante para verificar a incidência das novas cepas na população fluminense e antecipar possíveis cenários, a fim de minimizar os efeitos da pandemia em nosso Estado", afirmou o secretário de Estado de Saúde, Alexandre Chieppe.

A ação é financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj), com recurso de R$ 1,2 milhão, e conta com a parceria do Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), do Laboratório de Virologia Molecular da UFRJ, do Lacen, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e da Secretaria Municipal de Saúde do Rio.

Em paralelo, estão em andamento outros dois sequenciamentos com amostras do Estado do Rio de Janeiro, realizados pela Fiocruz e pelo Ministério da Saúde. Juntos, já analisaram 708 amostras desde fevereiro, apresentando a prevalência da variante P1 nos sequenciamentos.