Últimas Notícias
INTERNACIONAL
Banco Mundial espera preços de commodities estáveis em 2021
Os preços mundiais das commodities vão se manter próximos aos níveis atuais durante 2021, após os ganhos registrados no primeiro trimestre devido à recuperação econômica que se seguiu ao colapso provocado pela pandemia da covid-19 no ano passado, comentou nesta terça-feira (20) o Banco Mundial

Por AFP

Crédito: Divulgação/Internet

Os preços mundiais das commodities vão se manter próximos aos níveis atuais durante 2021, após os ganhos registrados no primeiro trimestre devido à recuperação econômica que se seguiu ao colapso provocado pela pandemia da covid-19 no ano passado, comentou nesta terça-feira (20) o Banco Mundial.

Os preços da energia deverão ser um terço mais altos do que em 2020, com o petróleo a 56 dólares o barril, em média. Para os metais, o organismo espera um aumento de 30% nos preços, enquanto os preços agrícolas deverão subir quase 14%.

No entanto, o Banco Mundial alertou que essas previsões dependem do avanço do controle da pandemia, bem como das medidas de apoio nas economias avançadas e das decisões dos principais produtores de matérias-primas.

"O crescimento mundial tem sido mais forte do que o esperado até agora e as campanhas de vacinação estão em andamento, e essas tendências impulsionaram os preços das commodities", disse Ayhan Kose, vice-presidente em exercício de crescimento equitativo, finanças e instituições do Banco Mundial e diretor do Grupo de Perspectivas.

"No entanto, a durabilidade da recuperação é muito incerta", frisou.

Kose pediu às economias emergentes e em desenvolvimento, tanto exportadoras quanto importadoras de commodities, que "fortaleçam sua resiliência no curto prazo e se preparem para a possibilidade de o crescimento perder força".

Para o petróleo, que após atingir mínimos históricos subiu devido à recuperação econômica e cortes de produção decididos pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e seus parceiros, o Banco Mundial projeta uma estabilização da demanda em 2021, com um preço médio de US$ 60 o barril em 2022.

Quanto aos metais, o organismo estima que os preços cederão parte dos ganhos deste ano, à medida que o crescimento impulsionado pelos pacotes de estímulo desaparecer gradualmente em 2022.

O plano de infraestrutura planejado nos Estados Unidos pode sustentar os preços dos metais, incluindo alumínio, cobre e minério de ferro, apontou.

Em relação aos preços agrícolas, que aumentaram substancialmente este ano impulsionados pela forte demanda da China e pela oferta restrita na América do Sul, o Banco Mundial espera que se estabilizem em 2022.

O relatório enfatiza, porém, que a pandemia continuará a pesar na insegurança alimentar em 2021 e 2022.

"Embora os mercados de alimentos sejam bem abastecidos globalmente, a covid-19 afetou severamente os mercados locais de alimentos e de trabalho em todo o mundo, reduzindo a renda, interrompendo as cadeias de abastecimento e intensificando as preocupações com a segurança alimentar e nutricional que estavam presentes mesmo antes da pandemia", disse Kose.

ad/rs/mr