Últimas Notícias
VARIEDADES
Cinesesc divulga a lista dos melhores filmes do ano passado
Silvero Pereira é o cara. Eleito o melhor ator brasileiro do ano passado, pelo voto popular, no 46º Festival Cinesesc de Melhores Filmes, ele foi o apresentador da nova edição do evento

Por Estadão Conteúdo

Crédito: Divulgação/Internet

Silvero Pereira é o cara. Eleito o melhor ator brasileiro do ano passado, pelo voto popular, no 46º Festival Cinesesc de Melhores Filmes, ele foi o apresentador da nova edição do evento. O 47º Festival iniciou-se na quarta-feira, dia 14, à noite. Silvero havia vencido pelo papel de Lunga, em Bacurau, o grande filme de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dorneles. Ganhou mais projeção com o retorno da novela A Força do Querer, na faixa das 9 da Globo, fazendo o motorista que se metamorfoseava em mulher trans.

Foi ele quem fez a apresentação na quarta. Anunciou os vencedores deste ano. Pacarrete, de Allan Deberton, venceu como melhor filme brasileiro para o público e a crítica. Marcélia Cartaxo foi a melhor atriz, de novo para público e crítica, pelo mesmo filme.

Na categoria melhor diretor nacional, Jeferson De foi o mais votado pelo público por M-8 - Quando a Morte Socorre a Vida, e Gerardo Sarno venceu pela crítica, pela direção de Sertânia. Também houve divisão na categoria de ator - Juan Paiva levou o troféu do público por M-8 e Irandhir Santos o da crítica, por Fim de Festa, de Hilton Lacerda.

No cinema internacional, de novo público e crítica votaram no mesmo filme - Retrato de Uma Jovem em Chamas, de Céline Sciamma. Ela venceu como melhor diretora, público e crítica. William Dafoe foi o vitorioso como melhor ator, também para público e crítica, por O Farol, de Robert Eggers. Houve divisão na categoria de melhor atriz - o público preferiu a Scarlett Johansson de Jojo Rabbit, de Taika Waititi, os críticos, Adele Haenel, a pintora do filme de Céline.

O mais longevo festival de cinema de São Paulo seguiu o protocolo do ano passado, quando foi realizado online, por causa da pandemia. Segue até 5 de maio na plataforma Sesc Digital, mostrando - de graça - uma seleção de filmes brasileiros e estrangeiros que foram destaques em 2020. E mais: a extensa programação contempla encontros com críticos e cineastas. Um tira-gosto com o que o público poderá (re)ver nesta edição - o documentário da Macedônia Honeyland, de Tamara Kotevska, o superpremiado Retrato da Francesa Sciamma, o belíssimo Você não Estava Aqui, do britânico Ken Loach, e mais um daqueles dramas naturalistas dos irmãos belgas Jean-Luc e Pierre Dardenne, O Jovem Ahmed.

Brasileiros

Três Verões, de Sandra Kogut, Pacarrete, Sertânia e o documentário de Bárbara Paz, Babenco - Alguém Tem de Escutar o Coração e Dizer: Parou, que foi escolhido o melhor da categoria por público e crítica. Preste atenção - os filmes possuem diferentes validades na plataforma - alguns ficarão disponíveis por 24 horas, outros, uma semana, e há os que ficarão durante toda a duração do festival. O Cinesesc aposta na acessibilidade - os filmes terão legendas open/close caption, libra e audiodiscrição na app Movie Reading.

E as atrações não ficam por aqui. O festival resgata, em sessões especiais, alguns vencedores de edições anteriores - Segredos e Mentiras, de Mike Leigh, de 1996, A Vida dos Outros, de Florian Henckel von Donnersmarck, 2006, e o melhor de todos - de toda a programação deste ano? -, Meu Tio da América, de Alain Resnais.

O festival homenageia Marcélia Cartaxo por meio de dois filmes - A História da Eternidade, de Camilo Cavalcanti, e A Hora da Estrela, de Suzana Amaral, pelo qual ela recebeu o prêmio de melhor atriz em Berlim, em 1985. Essa homenagem termina sendo também para a diretora: Suzana morreu em 25 de junho de 2020. A faixa especial Brasil Indígena do 47º Festival CineSesc de Melhores mostra dois filmes viscerais sobre os massacres dos povos indígenas - Serras da Desordem, de Andrea Tonacci, e Martírio, de Vincent Carelli, Tatiana Almeida e Ernesto de Carvalho.

Ainda não é tudo. Encontros online vão debater o cinema negro em várias telas, histórias indígenas e o Brasil em ruínas e cinema nordestino contemporâneo - uma só identidade.

O festival está disponível nos seguintes endereços:

- Lives no canal do Cinesesc no YouTube

https://www.youtube.com/c/CineSescSP

- No próprio site do Cinesesc

https://sesc.digital/colecao/cinema-em-casa-com-sesc

- Mais informações no portal

https://melhoresfilmes.sescsp.org.br/