Últimas Notícias
GERAL
Correção: Gorinchteyn: fase emergencial reduziu internações gerais em 17,5%
A nota publicada anteriormente continha uma incorreção: a Secretaria da Saúde do Estado de SP informou no fim da tarde que, diferentemente do que foi divulgado, a redução de 17,5% se refere às internações gerais (UTIs e enfermarias) e não somente em UTIs

Por Estadão Conteúdo

Crédito: Divulgação/Internet

A nota publicada anteriormente continha uma incorreção: a Secretaria da Saúde do Estado de SP informou no fim da tarde que, diferentemente do que foi divulgado, a redução de 17,5% se refere às internações gerais (UTIs e enfermarias) e não somente em UTIs. Além disso, os dados são de todo o Estado de São Paulo e não somente da Grande São Paulo. Segue texto corrigido:

O secretário da Saúde do Estado de São Paulo, Jean Gorinchteyn, afirmou que a fase emergencial, que esteve em vigor entre 15 de março e o último domingo, 11, reduziu as internações gerais - em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) e enfermarias - em 17,5%. O número, segundo ele, significa quase 1,3 mil pacientes a menos no Estado.

"A fase emergencial (mais rígida que a vermelha) trouxe respostas importantes em termos de proteção à vida. Conseguimos com a fase emergencial reduzir as internações em 17,5%, significa quase 1,3 mil pacientes a menos no Estado. Além disso, tínhamos, no início da semana passada, 92,5% de ocupação dos leitos de UTI. Hoje, estamos com 84% de taxa de ocupação", disse Gorinchteyn. "Isso mostra o impacto de controle da pandemia a partir do momento que você diminui a circulação de pessoas e, com ela, a circulação do vírus", disse o secretário.

Sobre o registro de 510 mortes no último domingo, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse que todas as medidas que o Governo de SP e outros Estados brasileiros tomaram, ajudaram e estão ajudando a salvar vidas.

"Tudo o que não precisamos é de questionamentos sobre as quarentenas. Quem não gosta de quarentena são os negacionistas, aqueles que acham que tudo e todos devem ser liberados, em todas as circunstâncias. Se fosse isso, nós já teríamos essa tragédia brasileira com o dobro do número de mortes do que temos. Se temos um número ainda que triste e a lamentar, menor nessas circunstâncias, deve-se ao trabalho de governadores e prefeitos em todo o Brasil com as medidas restritivas, com obrigatoriedade do uso de máscaras, com recomendações necessárias para o distanciamento social e com a vacina", acrescentou Doria.

"Quando nós olhamos o número de mortes, esses números também tiveram um decréscimo em relação a semanas epidemiológicas anteriores, apesar de terem ainda se mostrado em status elevado. Mas eles estão relacionados a mortes ocorridas até 15, 20 dias, então não é um dado atualizado. Seguramente, as medidas de contenção são essas que fizeram com que nós pudéssemos literalmente respirar e fazer com que o sistema de saúde acolhesse a nossa população", afirmou Gorinchteyn.

Ao lado de Doria, o secretário estadual da Saúde participou da entrega de mais 1,5 milhão de doses no Instituto Butantan na manhã desta segunda-feira, 12, totalizando 39,7 milhões de doses da coronavac para o Programa Nacional de Imunizações (PNI), desde o início das entregas, em 17 de janeiro.