Últimas Notícias
INTERNACIONAL
UE inclui oito autoridades iranianas em lista de sanções por repressão
A União Europeia incluiu, nesta segunda-feira (12), oito autoridades iranianas em sua lista de sanções, entre elas o comandante em chefe da Guarda Revolucionária, Hossein Salami, por sua participação na repressão aos protestos de 2019 - informou o Conselho da UE

Por AFP

Crédito: Divulgação/Internet

A União Europeia incluiu, nesta segunda-feira (12), oito autoridades iranianas em sua lista de sanções, entre elas o comandante em chefe da Guarda Revolucionária, Hossein Salami, por sua participação na repressão aos protestos de 2019 - informou o Conselho da UE.

Além de Salami, entre os afetados se destacam o líder da organização paramilitar Basij, Gholamreza Soleimani, e o comandante das Unidades Especiais da polícia iraniana, Hassan Karami. Com isso, a lista totaliza 89 cidadãos iranianos e quatro entidades.

"Como membro do Conselho de Segurança Nacional, Salami participou das sessões que deram lugar às ordens de usar a força letal para reprimir os protestos de novembro de 2019. Portanto, (...) é responsável por graves violações dos direitos humanos no Irã", acrescentou o Conselho, em uma nota oficial.

Na mesma decisão, o Conselho incluiu em sua lista negativa de entidades três centros de detenção no Irã: as prisões de Evin, a de Fashafouyeh (também conhecida como penitenciária central da Grande Teerã) e a de Rajaee Shahr.

A decisão já foi publicada no Diário Oficial da UE. As sanções entram em vigor de forma imediata.

Ao mesmo tempo, a UE decidiu adiar até abril de 2022 as medidas restritivas adotadas desde 2011 por causa de violações dos direitos humanos.

Por estas sanções, os funcionários envolvidos têm seu ingresso vetado no território da UE. Eventuais ativos que possuam na Europa ficarão congelados.

Com estas medidas, a UE também bloqueia a exportação para o Irã de qualquer equipamento que possa ser usado na repressão interna, ou na vigilância de comunicações.

O anúncio destas sanções chega em um momento de extraordinária sensibilidade, já que a UE busca reativar esforços para retomar o acordo firmado em 2015 com o Irã, por sua política nuclear.

No domingo, o Irã anunciou a ocorrência de uma explosão em uma planta de enriquecimento de urânio em Natanz. O governo iraniano responsabilizou Israel pelo episódio.

ahg/mb/tt