Últimas Notícias
INTERNACIONAL
Os quadros de mestres que caíram do céu
Esquecidas na poeira de um sótão ou adquiridas a preço de banana, algumas pinturas, às vezes, se revelam obras de grandes mestres e vêm à tona gerando surpresa e emoção no mundo da arte

Por AFP

Crédito: Divulgação/Internet

Esquecidas na poeira de um sótão ou adquiridas a preço de banana, algumas pinturas, às vezes, se revelam obras de grandes mestres e vêm à tona gerando surpresa e emoção no mundo da arte.

Nesta quinta-feira (8), o governo espanhol bloqueou o leilão iminente por US$ 1.800 de uma pintura atribuída ao círculo do pintor José de Ribera, por suspeitar que seria na realidade do mestre italiano Caravaggio.

Estas são quatro histórias de obras-primas que reaparecem repentinamente:

"Christ Mocked" de Ceno Di Pepo, conhecido como Cimabue, um grande pintor italiano pré-renascentista, decorava o interior de uma casa antiga em Compiègne (norte da França), pendurado modestamente entre a cozinha e a sala.

Os proprietários desconheciam sua origem. Durante uma mudança, uma análise revelou que era uma obra muito rara de Cimabue.

No final de 2019, este elemento de um díptico de 1280 foi leiloado por mais de 24 milhões de euros (US$ 28,8 milhões). Assim, tornou-se a pintura pré-renascentista mais cara leiloada em venda pública no mundo.

A França proibiu a exportação da obra, comprada segundo a imprensa por um casal de colecionadores chilenos, e assim permitiu sua aquisição pelas coleções nacionais.

A obra representando "Judite decapitando Holofernes" dormia há décadas no sótão de uma casa perto de Toulouse, no sul da França.

Seus proprietários a descobriram em abril de 2014, quando resolveram consertar um vazamento de água.

Sob uma espessa camada de poeira, um especialista revelou uma obra com traços vivos, uma cena expressiva e um perfeito domínio dos efeitos de luz.

Após meses de exame, o especialista Eric Turquin atribui-o ao grande mestre italiano do claro-escuro, Caravaggio. E foi avaliada em mais de 120 milhões de euros, quase 145 milhões de dólares.

A obra foi vendida em junho de 2019. O comprador seria o colecionador americano Tomilson Hill.