Últimas Notícias
GERAL
Aplicativo do Ministério da Saúde sugere máscara só para infectados
Mais de um ano após o começo da pandemia, o Ministério da Saúde mantém, em canais oficiais, informações desatualizadas ou erradas sobre o uso de máscaras durante a pandemia

Por Estadão Conteúdo

Crédito: Divulgação/Internet

Mais de um ano após o começo da pandemia, o Ministério da Saúde mantém, em canais oficiais, informações desatualizadas ou erradas sobre o uso de máscaras durante a pandemia. O aplicativo oficial criado para orientar a população recomenda o uso de máscara apenas para quem tem sintomas da covid-19 ou está cuidando de uma pessoa com suspeita do vírus. A recomendação contradiz falas do próprio ministro recém-empossado, Marcelo Queiroga, que tem defendido o uso da proteção por todos e já citou que o País deve adotar como slogan ser a "pátria de máscaras".

O programa foi atualizado em outubro e tem mais de 5 milhões de downloads apenas na Play Store do sistema Android. O mesmo aplicativo também afirma que ainda não há vacina disponível contra a covid-19. Além do app, o site da pasta também continha informações desatualizadas. Até a semana passada, a sessão "perguntas e respostas" do Ministério da Saúde sobre a pandemia afirmava que o aperto de mãos era a principal forma de contágio da covid-19. Além disso, negava que a doença fosse transmitida pelo ar. A página foi excluída após questionamento do Estadão.

"O COVID-19 é transmitido pelo ar?", era uma questão. "Não, a transmissão acontece de uma pessoa doente para outra por contato próximo, por meio de: aperto de mãos (principal forma de contágio)" era a resposta. Também eram citadas gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro e objetos e superfícies contaminadas como formas e locais de contágio.

OMS

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que a transmissão da covid-19 é feita de uma pessoa a outra, por meio de gotículas que se propagam a partir do nariz ou da boca de uma pessoa, principalmente após tosse ou espirro. O órgão também cita a contaminação ao tocar olhos, nariz e boca depois de ter contato com uma superfície contaminada. O aperto de mão, porém, está longe de ser tratado como principal forma de transmissão.

O Portal do Servidor do governo federal também está desatualizado. Em texto sobre orientações para evitar a contaminação não há menção ao uso de máscaras. Atualizada em 16 de março, a página recomenda medidas como higienização das mãos, cobrir o rosto com lenço de papel ao espirrar ou tossir, evitar aglomerações e manter ambientes bem ventilados, mas ignora a proteção. Desde que assumiu o posto, após a saída de Eduardo Pazuello, Queiroga cobra o uso das máscaras.

Procurada, a Saúde não informou se o ministro também pretende reservar recursos para a compra do equipamento de proteção para a população, como fizeram alguns Estados e municípios. Queiroga também tem afirmado que uma de suas primeiras ações na pasta foi editar portaria para determinar o uso de máscara dentro do Ministério da Saúde, mais de um ano após o começo da pandemia.

Como mostrou o Estadão no mês passado, a falta de preocupação da pasta com os protocolos para conter a propagação do vírus motivou queixas entre os próprios funcionários. O texto anunciado por Queiroga, porém, até agora não foi publicado. Em outubro, uma portaria já determinou o uso da proteção, o que não vinha sendo cumprido nem sequer por Pazuello e seus auxiliares.

Esse texto também afirmava que máscaras "profissionais", como os modelos descartáveis ou N95, devem ser prioridade apenas para profissionais que atuam no atendimento de pacientes. O próprio Queiroga, porém, tem usado proteção mais reforçada em reuniões de governo ou ao atender a imprensa.

"Para pessoas saudáveis, use máscara somente se você estiver cuidando de uma pessoa com suspeita de infecção por coronavírus." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.