Últimas Notícias
INTERNACIONAL
Com mais de 22.000 casos, Argentina registra novo recorde de covid em 24 horas
As infecções por covid-19 nas últimas 24 horas na Argentina chegaram a 22.039, o segundo dia consecutivo com recorde de casos desde o início da pandemia de coronavírus, informou o Ministério da Saúde nesta quarta-feira (7)

Por AFP

Crédito: Divulgação/Internet

As infecções por covid-19 nas últimas 24 horas na Argentina chegaram a 22.039, o segundo dia consecutivo com recorde de casos desde o início da pandemia de coronavírus, informou o Ministério da Saúde nesta quarta-feira (7).

As autoridades também informaram 199 mortes, número que eleva a contagem total de óbitos para 56.832, com um total de 2.450.068 infecções desde o início de março de 2020, em um país de 45 milhões de habitantes.

Na véspera, a Argentina havia registrado 20.870 casos com 163 mortes, o recorde anterior em 24 horas.

Das 22.039 infecções desta quarta-feira, 13.539 foram notificadas na área metropolitana de Buenos Aires (AMBA), onde vive um terço da população argentina.

Em sua campanha contra a covid-19, o país sul-americano já recebeu 7,2 milhões de vacinas, das quais mais de quatro milhões da Sputnik V, do laboratório russo Gamaleya. O restante está dividido entre Sinopharm (China), Covishield (Índia) e AstraZeneca (anglo-sueca).

Nesta quarta-feira, o presidente da Argentina, Alberto Fernández, deve anunciar novas restrições diante de um alarmante aumento de casos, situação que exige "três semanas de maior esforço" para acelerar o processo de vacinação, revelou na terça-feira a ministra da saúde, Carla Vizzotti.

Nesse período, o governo pretende acelerar a vacinação com a primeira dose para a população de risco, explicou Vizzotti.

Cerca de 4,57 milhões de doses das vacinas foram administradas a 3,7 milhões de argentinos, entre os quais pouco mais de 700.000 receberam as duas doses.

Na última semana, Argentina e Brasil estiveram entre os 10 países com maior número de novas infecções no mundo, informou nesta quarta-feira a diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), Carissa Etienne.

ls/gma/am