Últimas Notícias
INTERNACIONAL
Prisão perpétua para 22 ex-militares na Turquia por participação no golpe de 2016
Um tribunal de Ancara condenou nesta quarta-feira (7) à prisão perpétua 22 ex-militares por seu papel na tentativa de golpe de Estado de 2016 contra o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, o que motivou grandes expurgos nas Forças Armadas

Por AFP

Crédito: Divulgação/Internet

Um tribunal de Ancara condenou nesta quarta-feira (7) à prisão perpétua 22 ex-militares por seu papel na tentativa de golpe de Estado de 2016 contra o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, o que motivou grandes expurgos nas Forças Armadas.

Os ex-militares condenados integram um grupo de 497 suspeitos que foram julgados por acusações relacionadas ao golpe frustrado.

Muitos serviram durante sua carreira na guarda presidencial.

A agência estatal Anadolu informou algumas horas antes sobre quatro condenações à prisão perpétua, mas um advogado da presidência turca afirmou à AFP que ao final da audiência 22 ex-militares receberam a mesma sentença.

Os suspeitos foram declarados culpados de várias acusações, incluindo tentativa de acabar com a ordem constitucional.

A Promotoria também os acusou de ocupar o canal público de televisão TRT e obrigar os jornalistas a lerem um comunicado.

Em novembro, 337 pessoas, incluindo oficiais e pilotos, foram condenados à prisão perpétua no final do principal julgamento relacionado à tentativa de golpe de Estado, que aconteceu em 15 de julho de 2016.

Entre os condenados estavam pilotos que bombardearam pontos emblemáticos da capital, como o Parlamento, e oficiais e civis que lideraram o golpe a partir da base militar de Akinci.

O golpe frustrado deixou oficialmente 251 mortos, sem contar os golpistas, e mais de 2.000 feridos.

O acontecimento, que traumatizou o país, provocou grandes expurgos nas Forças Armadas e permitiu a Erdogan ampliar seu poder.

O governo turco acusa o pregador Fethullah Gülen de ter orquestrado a tentativa de golpe.

Gülen, um ex-aliado do presidente turco que mora nos Estados Unidos, nega qualquer envolvimento.

Durante a madrugada de 15 para 16 de julho de 2016, Ancara foi cenário de ações particularmente violentas por parte dos golpistas.

Aviões F16 bombardearam a Assembleia Nacional em três ocasiões, assim como as estradas ao redor do palácio presidencial e o quartel-general das forças espaciais e da polícia.

Os bombardeios deixaram 68 mortos e mais de 200 feridos na capital. Nove civis morreram durante uma tentativa de resistir aos golpistas na entrada da base de Akinci.

Desde a tentativa de golpe de Estado, as autoridades perseguem sem trégua os partidários de Gülen e organizaram expurgos em uma escala sem precedentes na história moderna da Turquia.