Últimas Notícias
VARIEDADES
Morre cineasta francês Bertrand Tavernier aos 79 anos
Morreu nesta quinta-feira, 25, aos 79 anos, o cineasta francês Bertrand Tavernier, autor de filmes como Round Midnight (Por Volta de Meia-Noite), A Isca e Lei 627

Por Estadão Conteúdo

Crédito: Divulgação/Internet

Morreu nesta quinta-feira, 25, aos 79 anos, o cineasta francês Bertrand Tavernier, autor de filmes como Round Midnight (Por Volta de Meia-Noite), A Isca e Lei 627. O anúncio da morte foi feito pelo Instituto Lumière, de Lyon, que foi dirigido por ele.

Como alguns de seus colegas, Tavernier entrou no mundo do cinema pela via da crítica. Escreveu em publicações como Cahiers du Cinéma, Positif, Combat, Lettres Françaises, entre outros. É autor de livros, alguns de referência, como Trinta Anos de Cinema Americano (em parceria com Jean-Pierre Coursodon), um tijolo de mais de 1200 páginas, considerado na França a bíblia sobre o assunto. Admirador do cinema B norte-americano, foi assistente de direção de Jean-Pierre Melville. Estreou como diretor com o episódio Les Baisers (Os Beijos), em 1964. A partir de então, deu início a uma filmografia bastante consistente, com ênfase num cinema narrativo sólido e bem trabalhado.

Amante do jazz, tornou-se mundialmente conhecido por Round Midnight (Por Volta da Meia-Noite, 1986). Apesar de adotar o título de uma composição clássica de Thelonious Monk, a história é uma homenagem indireta a Charlie Parker, o gênio do bebop. Um saxofonista de verdade, Dexter Gordon, interpreta o personagem fictício Dale Turner que, na década de 1950, muda-se para Paris em busca de um pouco de paz e um público fiel. Um fã (François Cluzet) tenta fazer seu ídolo sobreviver ao alcoolismo e outros aditivos. O filme é maravilhoso pela intensidade, história comovente e, também, claro, pela música. A trilha (premiada com o Oscar) é de Herbie Hancock. Dexter Gordon nunca havia trabalhado antes como ator, o que parece inacreditável, tamanha a credibilidade que imprime ao papel.

Apesar do interesse por temas americanos (ele rodou, antes de Round Midnight, o documentário Mississipi Blues), o foco maior de Tavernier foi a França e sua história. Eclético, filmou de Simenon (L’Horloger de Saint-Paul, 1972, seu primeiro longa) ao diálogo com Dumas de A Filha de D’Artagnan (1994), alusivo ao famoso mosqueteiro gascão. Homenageou o grande Jean Renoir de Une Partie de Campagne com seu Um Sonho de Domingo (1984). Debruçou-se sobre um crime célebre em Le Juge et L’assassin (1976). Em Lei 627 (1992), que esteve aqui em cartaz na Mostra de São Paulo, desce aos porões do tráfico de drogas sob o olhar de um policial tão obstinado e fanático quanto o Javert de Os Miseráveis. Tentou também a ficção científica com A Morte ao Vivo (1980).

Em 1995, a carreira de Tavernier encontrou talvez o seu ápice com o Urso de Ouro concedido pelo Festival de Berlim ao seu A Isca. O filme concorreu também no Festival de Gramado, com prêmio de melhor atriz para Marie Gillain. Ela faz uma garota que, junto com dois amigos, vive de golpes aplicados em incautos. Tensa, bem trabalhada e fluida, a obra foi considerada um comentário cáustico sobre o materialismo e a amoralidade dos tempos contemporâneos.

Bastante diversa nos assuntos tratados, a obra de Tavernier parece convergir na crítica aos desajustes da civilização contemporânea, violenta, excludente, racista. É um cinema que, em seus melhores momentos, alcança aquele tipo de crueza que não exclui o olhar terno voltado aos personagens.

Fiel à sua dupla persona de realizador e historiador, Tavernier finaliza sua carreira com o documentário Viagem Através do Cinema Francês (Voyage à travers le cinéma français), de 2016. Trata-se da panorâmica sobre uma cinematografia, a exemplo do que fizeram Martin Scorsese (sobre o cinema norte-americano e italiano) e Marc Cousins (uma série sobre o cinema mundial, outra sobre o cinema de mulheres).

Mas há uma diferença, sutil, inscrita nas entrelinhas do filme de Tavernier. Necessariamente abrangente, Viagem Através do Cinema Francês, mostra empenho em resgatar uma parte da cinematografia francesa demonizada à época da nouvelle vague. Resgata do limbo aqueles velhos autores detonados pelos "jovens turcos" do Cahiers du Cinéma e mostra como as obras de Jean Delannoy, Claude Autant-Lara e Henri-George Clouzot encontram seu lugar numa história mais completa e generosa do cinema francês. Um belo epílogo de trajetória e também um legado à cinematografia que o consagrou.