Últimas Notícias
INTERNACIONAL
Perto dos 45 anos do golpe de Estado na Argentina, presidente pede 'memória'
O presidente Alberto Fernández exortou os argentinos neste sábado (20) a manter viva a memória, a poucos dias do aniversário do golpe de Estado de 24 de março de 1976, durante uma homenagem aos trabalhadores presos e desaparecidos durante a ditadura

Por AFP

Crédito: Divulgação/Internet

O presidente Alberto Fernández exortou os argentinos neste sábado (20) a manter viva a memória, a poucos dias do aniversário do golpe de Estado de 24 de março de 1976, durante uma homenagem aos trabalhadores presos e desaparecidos durante a ditadura.

"Peço a todos que a cada 24 de março lembremos francamente do horror que vivemos", disse o presidente no Espaço da Memória construído onde funcionava a Escola de Mecânica da Armada (ESMA), o maior centro de tortura e extermínio da ditadura (1976-1983), por onde passaram milhares de prisioneiros.

Cercado por representantes das Avós e Mães da Praça de Maio, que procuram seus filhos desaparecidos e netos roubados ao nascer, Fernández evocou a luta dessas mulheres que "tiveram a coragem que a imensa maioria da sociedade argentina não teve".

"Elas pararam sozinhas diante do poder para denunciar o que estava acontecendo e algumas, como Azucena Villaflor (fundadora do Mães da Praça de Maio), perderam suas vidas por isso", observou ao lembrar das vítimas que as organizações de direitos humanos estimam chegar a 30 mil.

"Muitos querem que o esquecimento nos conquiste", alertou o presidente. Mas "em 24 de março houve um colapso moral na sociedade argentina que não devemos nunca deixar de repudiar", enfatizou.

O presidente mencionou uma exibição na Praça de Maio de sacos pretos que simulavam conter cadáveres com nomes de ativistas dos direitos humanos e líderes políticos durante uma passeata da oposição no final de fevereiro.

A cena foi montada por iniciativa do grupo de direita Jovens Republicanos. O protesto havia sido convocado para repudiar um escândalo de vacinação privilegiada contra a covid-19.

"Infelizmente, persistem as duas Argentinas", disse Fernández. "A cada piscar de olhos, em suas fileiras aparecem os negacionistas e em nossas fileiras aparece a memória", argumentou.

Ele também evocou as mais de mil condenações em julgamentos contra criminosos da ditadura. "Hoje, a condenação de um genocida é um ato lógico, não excepcional. É a maior vitória de uma sociedade", afirmou.

O evento é o primeiro de uma série de homenagens que serão realizadas nos próximos dias, incluindo uma marcha nesta quarta-feira convocada por organizações de esquerda.

sa/mls/ic