Últimas Notícias
INTERNACIONAL
Europa tem manifestações contra restrições da pandemia
Milhares de pessoas foram às ruas neste sábado (20) em cidades da Alemanha, Reino Unido, Suíça, Holanda e Áustria, em alguns casos com violência, para manifestar seu repúdio às restrições em vigor para conter a pandemia do coronavírus

Por AFP

Crédito: Divulgação/Internet

Milhares de pessoas foram às ruas neste sábado (20) em cidades da Alemanha, Reino Unido, Suíça, Holanda e Áustria, em alguns casos com violência, para manifestar seu repúdio às restrições em vigor para conter a pandemia do coronavírus.

A manifestação de maior destaque ocorreu na cidade alemã de Kassel, onde se reuniram entre 15.000 e 20.000 pessoas, informou um porta-voz da polícia à AFP, o que representa um dos maiores protestos do gênero até agora este ano.

Sem máscaras em sua maioria, os manifestantes se reuniram na cidade para expressar sua insatisfação com as medidas aplicadas pelas autoridades para reduzir as infecções.

As forças policiais usaram spray de pimenta quando um grupo de pessoas tentou romper um cordão policial para se juntar a outro grupo de manifestantes.

"Isso não é o que um protesto pacífico deveria ser", tuitou a polícia da região de Hesse do Norte.

A polícia reportou "repetidos ataques" contra os serviços de emergência e alertou: "não vamos tolerar ataques deste tipo".

O protesto foi convocado pelo chamado "Querdenker", ou movimento de Pensadores Laterais, que agrupa aqueles que consideram injustificadas as medidas restritivas contra a pandemia.

Sob esse rótulo estão extremistas da esquerda, da direita, adeptos das teorias da conspiração e antivacinas.

Alguns dos participantes brandiram faixas com os dizeres "Chega de confinamento" e "Rebeldes Corona", bem como bandeiras com o lema "Querdenker".

O fundador do movimento, Michael Ballweg, pediu a seus seguidores no final de dezembro que suspendessem os protestos até a primavera.

A Alemanha registrou 16.000 novos casos de covid-19 e 207 mortes no sábado, de acordo com dados do Instituto Robert Koch, voltado para doenças infecciosas.

Milhares de pessoas também marcharam em Londres. A polícia deteve 33 pessoas por violação das regras em vigor desde janeiro, segundo as quais é proibido se manifestar sem motivo autorizado.

Em Amsterdã, a polícia recorreu a canhões de água para dispersar os cerca de 500 manifestantes que também se reuniram sem autorização.

Outros protestos ocorreram em Viena (cerca de 1.000 participantes), Sofia (500) e na cidade suíça de Liestal, onde se aglomeraram cerca de 5.000 pessoas.

mfp/dl/bds/sg/bl/jz/eg/mr/ic