Últimas Notícias
INTERNACIONAL
Manifestantes pró-democracia dispostos a lutar 'até o fim' em Mianmar
Manifestantes pró-democracia protestavam neste sábado (20) em Mianmar sob a bandeira do "pavão real combatente", prontos para resistir "até o fim" à repressão sangrenta da Junta militar, que tem sido criticada pelos países ocidentais, mas também por vizinhos asiáticos

Por AFP

Crédito: Divulgação/Internet

Manifestantes pró-democracia protestavam neste sábado (20) em Mianmar sob a bandeira do "pavão real combatente", prontos para resistir "até o fim" à repressão sangrenta da Junta militar, que tem sido criticada pelos países ocidentais, mas também por vizinhos asiáticos.

Cerca de 240 civis morreram desde 1º de fevereiro, o dia do golpe militar que derrubou o governo civil liderado de fato por Aung San Suu Kyi.

O número de vítimas pode ser superior, já que centenas de pessoas desapareceram nas últimas semanas.

Apesar de tudo, a mobilização continua.

"O movimento pró-democracia impede a Junta de exercer o poder político e administrativo", destacou a Associação de Assistência a Presos Políticos (AAPP).

Médicos, professores, funcionários de bancos ou de ferrovias estão em greve, paralisando parte da frágil economia do país.

E, neste sábado, novas manifestações foram organizadas, como em Mandalay (centro).

Os manifestantes, reunidos atrás de barricadas de sacos de areia, exibiram uma bandeira preta, assinada: "O pavão real combatente", um símbolo usado durante a revolta popular de 1988 e mais tarde pelo partido de Aung San Suu Kyi, a Liga Nacional para a Democracia (LND).

"Quem disse que devemos desistir por causa das armas [da Junta]? Nascemos para a vitória", tuitou Ei Thinzar Maung, um dos líderes do protesto.

"Vamos lutar até o fim", escreveu outro manifestante. "Essa ditadura vai cair".

No entanto, há menos manifestantes nas ruas e muitos birmaneses permanecem em casa por medo de retaliação.

Dois dos cinco milhões de habitantes de Yangon, a capital econômica, estão sob lei marcial e a situação é muito tensa.

Alguns bairros mergulharam no caos, com manifestantes disparando projéteis e coquetéis molotov contra o Exército e a Polícia, que ataca com munição letal.

"Os tiroteios aumentam a cada dia", lamentou a AAPP. Militares e policiais "saqueiam e destroem diariamente propriedades públicas e privadas".

Muitos residentes de Yangon fugiram da cidade, a maior de Mianmar, para retornar às suas regiões de origem a bordo de veículos, bicicletas ou mototáxis.