Últimas Notícias
INTERNACIONAL
Líderes da UE pedem que Turquia restabeleça a confiança bilateral
Os máximos líderes da UE mantiveram, nesta sexta-feira (19), uma conversa por vídeoconferência com o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, a quem pediram para criar condições para uma relação pacífica com a União Europeia

Por AFP

Crédito: Divulgação/Internet

Os máximos líderes da UE mantiveram, nesta sexta-feira (19), uma conversa por vídeoconferência com o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, a quem pediram para criar condições para uma relação pacífica com a União Europeia.

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, e a presidente da Comissão, Ursula von der Leyen, destacaram "a importância de uma desescalada sustentada e do reforço da confiança para permitir uma agenda UE-Turquia mais positiva", segundo um comunicado emitido após a reunião.

O presidente Erdogan, por sua vez, insistiu em sua expectativa de "resultados concretos" na cúpula europeia prevista para 25 e 26 de março, e pediu o lançamento de um "diálogo de alto nível", informou a Presidência turca.

O presidente turco afirmou aos líderes da UE que Ancara está a favor da cooperação e da estabilidade no Mediterrâneo oriental e no Egeu, apesar das "provocações da Grécia e do Chipre grego".

O líder turco insistiu em defender uma atualização do acordo assinado há cinco anos para reduzir o número de imigrantes e refugiados que tentam chegar na UE, e afirmou que essa renegociação "foi a base de uma agenda positiva".

Os funcionários "trocaram pontos de vista sobre a situação dos refugiados sírios alojados na Turquia, assim como sobre a situação regional em geral, incluindo Líbia e Síria", disse o comunicado da UE.

Na conversa também debateram sobre a "possível visita" de funcionários da UE à Turquia depois da cúpula europeia na próxima semana.

Os líderes europeus se mostraram cautelosos sobre a mudança de comportamento do presidente turco depois de um ano de altas tensões, e não se esforçam para esconder suas preocupações.

A UE já denunciou violações dos direitos fundamentais na Turquia e formulou uma severa advertência a Ancara contra a tentativa de proibir o Partido Democrático Popular (HDP, pró-curdo), o segundo maior partido da oposição.

Erdogan mostrou um desejo de apaziguamento no final de 2020 após um ano de altas tensões com a UE pelas atividades turcas consideradas "agressivas" no Mediterrâneo oriental.

ahg/jz/aa