Últimas Notícias
INTERNACIONAL
Wall Street tropeça e Nasdaq cai 3%
A bolsa de Nova York fechou em queda nesta quinta-feira (18), com os valores tecnológicos em forte baixa devido ao aumento dos rendimentos dos títulos nos Estados Unidos a valores máximos em 14 meses

Por AFP

Crédito: Divulgação/Internet

A bolsa de Nova York fechou em queda nesta quinta-feira (18), com os valores tecnológicos em forte baixa devido ao aumento dos rendimentos dos títulos nos Estados Unidos a valores máximos em 14 meses.

O índice tecnológico Nasdaq, que reúne ações de empresas sensíveis aos temores inflacionários e à piora das condições financeiras, baixou 3,02%, a 13.116,17 pontos.

Enquanto isso, o índice principal, Dow Jones, perdeu 0,46% a 32.862,30 pontos e o S&P 500, 1,48%, a 3.915,46 unidades.

As taxas de juros dos bônus do Tesouro a dez anos subiram a 1,71%, um máximo desde janeiro de 2020, após terem atingido 1,74% durante o dia.

Os rendimentos a 30 anos também subiram, a 2,45%, um máximo em 19 meses.

Embora na quarta-feira os mercados tenham parecido se tranquilizar com a posição do Federal Reserve, que assegurou que manterá as taxas baixas até que os Estados Unidos alcancem o pleno emprego, nesta quinta, os rendimentos dos bônus aumentaram depois que o Fed elevou a 6,5% sua previsão de crescimento para 2021 e estimou a inflação em alta para 2,4%.

"O mercado pensou duas vezes diante destas pressões inflacionárias que crescem: isso afetou primeiro o setor tecnológico, com o Nasdaq, e depois todos os setores do mercado", destacou Quincy Krosby, da Prudential.

O indicador de atividade manufatureira na Filadélfia subiu a 51,8 pontos em março contra 23,1 em fevereiro, alcançando seu maior nível em 50 anos.

"Foi uma surpresa maior e, sobretudo, mostrou que os custos de produção aumentam rapidamente", destacou Krosby, que disse que "o mercado se preocupa em saber se é realmente temporário" o aumento dos preços (como assinalado pelo Fed).

"A alta dos rendimentos reflete uma economia mais forte e uma campanha de vacinação bem sucedida. Mas a pergunta permanece: o Fed deverá iniciar uma transição para um ajuste de sua política monetária em setembro ou outubro? Talvez não aumentando as taxas de juros, mas evocando primeiro uma redução de suas compras de bônus do Tesouro", apontou Krosby.

vmt/jum/esp/mr/dg/mvv