Últimas Notícias
INTERNACIONAL
Rússia convoca seu embaixador nos EUA após Biden acusar Putin de ser um "assassino"
Moscou convocou seu embaixador em Washington, nesta quarta-feira (17), depois que o presidente Joe Biden chamou seu homólogo russo Vladimir Putin de "assassino", desencadeando a primeira grande crise diplomática para o novo inquilino da Casa Branca

Por AFP

Crédito: Divulgação/Internet

Moscou convocou seu embaixador em Washington, nesta quarta-feira (17), depois que o presidente Joe Biden chamou seu homólogo russo Vladimir Putin de "assassino", desencadeando a primeira grande crise diplomática para o novo inquilino da Casa Branca.

Em entrevista à rede americana ABC News, Biden foi questionado sobre um relatório da inteligência dos Estados Unidos segundo o qual o presidente russo tentou minar sua candidatura nas eleições de novembro de 2020 e promover a de Donald Trump.

"Logo verão o preço que ele vai pagar", disse Biden.

Questionado se acreditava que Putin, acusado de ordenar o envenenamento do líder da oposição Alexei Navalny e de outros oponentes políticos, é um "assassino", Biden respondeu: "Acho que sim".

A entrevista foi ao ar enquanto o Departamento de Comércio dos Estados Unidos anunciava o aumento das restrições às exportações impostas à Rússia no início deste mês como punição pelo envenenamento de Navalny.

A Rússia respondeu convocando seu enviado a Washington para consultas sobre seus laços com os Estados Unidos, mas ressaltou que deseja evitar uma "deterioração irreversível" das relações.

"O embaixador russo em Washington, Anatoly Antonov, foi convidado a vir a Moscou para consultas com o objetivo de analisar o que deve ser feito e aonde ir no contexto das relações com os Estados Unidos", explicou o Ministério das Relações Exteriores da Rússia em um comunicado.

O vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov, disse à agência RIA Novosti que "a responsabilidade pela maior deterioração dos laços russo-americanos é inteiramente dos Estados Unidos".

Em Washington, o Departamento de Estado tomou nota da medida russa, dizendo que os Estados Unidos "manterão os olhos abertos para os desafios apresentados pela Rússia".

Por enquanto, porém, os Estados Unidos não têm planos de retirar seu próprio embaixador de Moscou, afirmou uma porta-voz do Departamento de Estado à AFP, na esperança de manter "abertos canais de comunicação com o governo russo" em um esforço para "promover os interesses americanos e reduzir os risco de erros de cálculo entre nossos países".

Questionada sobre se os comentários de Biden são literais ou metafóricos, a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, disse que Biden "não contém suas preocupações" sobre "ações maliciosas e problemáticas", citando a interferência eleitoral, o envenenamento de Navalny, os ciberataques e recompensas ao Talibã por matar soldados americanos no Afeganistão.

"Não vamos fazer vista grossa, como fizemos nos últimos quatro anos", declarou a porta-voz. "Desde seu primeiro telefonema com o presidente Putin, o presidente Biden deixou claro que os Estados Unidos também responderão a uma série de ações desestabilizadoras."

Biden disse à ABC News que teve uma "longa conversa" com Putin após assumir o cargo em janeiro. "Eu disse a ele: "conheço você e você me conhece. Se ficar confirmado que isso aconteceu, se prepare"", contou.

As avaliações de Biden contrastam fortemente com a firme recusa de Trump em dizer qualquer coisa negativa sobre Putin.

Em uma entrevista à Fox News em 2017, questionado se Putin era um "assassino", Trump respondeu: "Existem muitos assassinos. Acha que nosso país é tão inocente?"

Apesar do que pensa sobre o líder russo, Biden afirmou que "há temas nos quais é de interesse mútuo trabalharmos juntos".