Últimas Notícias
INTERNACIONAL
Espanha investiga morte de paciente vacinada com AstraZeneca
As autoridades de saúde espanholas anunciaram, nesta quarta-feira (17), que estão investigando três casos de pessoas que sofreram trombose após receberem a vacina da AstraZeneca, uma delas falecida

Por AFP

Crédito: Divulgação/Internet

As autoridades de saúde espanholas anunciaram, nesta quarta-feira (17), que estão investigando três casos de pessoas que sofreram trombose após receberem a vacina da AstraZeneca, uma delas falecida.

O anúncio foi feito pela Agência Espanhola de Medicamentos, dois dias depois de o governo decidir suspender por precaução, por ao menos duas semanas, a aplicação desta vacina contra a covid-19.

Os três casos ocorreram entre segunda e terça-feira. Segundo a imprensa local, um deles foi o de uma professora de 43 anos, sem patologias prévias e que morreu de uma hemorragia cerebral. Nem as autoridades sanitárias, nem a clínica onde ela se internou quiseram confirmar esses detalhes à AFP, alegando a norma da proteção de dados.

A Espanha e outros países europeus como a Itália, Alemanha e França suspenderam a administração dessa vacina devido ao medo de que ela produza efeitos colaterais graves, como a formação de coágulos, que impedem a circulação correta do sangue e podem causar inchaços e até mesmo infartos e hemorragias.

No seu comunicado, a Agência Espanhola de Medicamentos mencionou a possibilidade de que os casos analisados correspondam a uma "formação de coágulos em lugares que não são os mais comuns".

Até o momento, o órgão não tem conclusões sobre a eventual causalidade entre a vacina e a trombose sofrida por essas três pessoas.

Segundo o texto, "está coletando mais informação e realizando uma investigação exaustiva para saber se além de existir uma relação temporária com o uso da vacina, existe também uma possível relação de causa e efeito".

Na Espanha, 975.661 pessoas receberam a vacina da AstraZeneca até a suspensão preventiva, segundo dados oficiais.

As outras vacinas administradas são da Pfizer/BioNtech e da Moderna, em um país duramente castigado pela pandemia e que soma até o momento mais de 3,2 milhões de casos confirmados e mais de 72.500 mortos.

Até agora, a Agência Europeia de Medicamentos disse estar "firmemente convencida" de que os benefícios da vacina da AstraZeneca contra o coronavírus são maiores do que seus potenciais riscos, embora continue analisando esta versão e na quinta-feira apresentará suas conclusões.

avl/mar/aa