Últimas Notícias
INTERNACIONAL
Vacina AstraZeneca: muitas preocupações, mas nenhuma prova de perigo específico
A vacina contra a covid-19 da AstraZeneca é perigosa? Muitos países, incluindo França e Alemanha, a suspenderam após graves problemas sanguíneos em pessoas vacinadas na Europa

Por AFP

Crédito: Divulgação/Internet

A vacina contra a covid-19 da AstraZeneca é perigosa? Muitos países, incluindo França e Alemanha, a suspenderam após graves problemas sanguíneos em pessoas vacinadas na Europa. Mas nada indica uma relação de causa e efeito e o embalo das autoridades de saúde divide os profissionais.

"Não faz sentido parar essa vacinação", declarou nesta segunda-feira Bruno Riou, da Assistência Pública-Hospitais de Paris (AP-HP), na emissora France Inter. "É como se disséssemos: "Houve um acidente de carro com alguém vacinado, vamos proibir a condução ou suspender a vacinação!"

Hoje, Alemanha, França e Itália suspenderam a vacina até pelo menos terça-feira, quando o regulador europeu emitirá um novo parecer. Desde a semana passada, vários países suspenderam o uso desta vacina.

A Áustria iniciou o movimento em 8 de março suspendendo um lote de vacinas após a morte de uma enfermeira que acabara de receber uma dose da AstraZeneca. A mulher de 49 anos morreu por uma má coagulação do sangue.

Desde então, outros países seguiram o embalo. A cada vez, as autoridades sanitárias reagem a casos, no seu país ou no estrangeiro, em que pessoas vacinadas desenvolveram problemas sanguíneos que às vezes são fatais.

Trata-se de dificuldades de coagulação, como na Áustria, ou formação de coágulos sanguíneos (trombose), para o qual apenas um caso grave foi notificado na França após a administração de uma vacina AstraZeneca.

Mas as autoridades em questão reconhecem: não há ligação comprovada entre esses problemas de saúde e essa vacina, além da sequência cronológica. A suspensão é temporária, a fim de garantir que tal relação não existe, o que requer uma investigação científica.

É um clássico princípio da precaução que conta com o apoio de alguns pesquisadores.

"Quando usamos um produto relativamente recente, como todas essas novas vacinas, devemos monitorar e assim que há um sinal, mesmo que não acreditemos, devemos parar tudo", estimou na quinta-feira vacinologista suíça Claire-Anne Siegrist.

Mas a abordagem preocupa muitos outros profissionais, que apontam que esses problemas de saúde não parecem mais frequentes após a vacina AstraZeneca do que após as outras atualmente distribuídas na Europa, Pfizer/BioNTech e Moderna.

Este é o argumento utilizado pelo próprio grupo. Em nota divulgada no domingo, a AstraZeneca ressaltou que os casos de trombose após receber sua vacina são "semelhantes" aos de suas contrapartes.

Essas afirmações são corroboradas por números oficiais do Reino Unido, um dos países mais avançados em sua campanha de vacinação. Eles também testemunham a natureza extremamente rara da trombose.

Foram 35 em 9,7 milhões de pessoas que receberam a dose da AstraZeneca - 0,0004% - e 24 dos 10,7 milhões da Pfizer/BioNTech - 0,0002%. Em cada categoria, houve apenas uma morte.

"Obviamente, a proporção (...) não é diferente", sublinha em comunicado Stephen Evans, epidemiologista da London School of Hygiene and Tropical Medicine, citado pela organização Science Media Center, e que lamenta a suspensão da vacina em vários países.