Últimas Notícias
INTERNACIONAL
Tio de George Floyd quer justiça, mas teme 'o sistema'
Ferido e marcado para sempre pela morte de seu sobrinho George Floyd, Selwyn Jones está preocupado com o julgamento que começa nesta segunda-feira (8) do policial acusado de seu assassinato, porque duvida de um sistema jurídico que historicamente tem sido tolerante com as forças de ordem

Por AFP

Crédito: Divulgação/Internet

Ferido e marcado para sempre pela morte de seu sobrinho George Floyd, Selwyn Jones está preocupado com o julgamento que começa nesta segunda-feira (8) do policial acusado de seu assassinato, porque duvida de um sistema jurídico que historicamente tem sido tolerante com as forças de ordem.

"Quero que a justiça prevaleça", diz Jones, tio materno do homem negro que morreu sufocado sob o joelho do agente branco de Minneapolis Derek Chauvin. Sua morte gerou protestos indignados em todo o mundo.

"Obviamente, quero uma condenação", declarou Jones à AFP. Mas ele garante que "o sistema" o preocupa.

Chauvin, que pressionou o joelho contra o pescoço de um Floyd imobilizado por quase nove minutos em 25 de maio de 2020, enfrenta acusações de homicídio no tribunal distrital do condado de Hennepin, onde a escolha do júri começa nesta segunda.

Jones, de 55 anos, vive na pequena cidade de Gettysburg, em Dakota do Sul, centenas de quilômetros a oeste de Minneapolis. Espera poder comparecer ao julgamento, mas as restrições de distanciamento social impostas para lidar com a covid-19 permitem que apenas um membro da família compareça por vez.

Para ele, o vídeo do episódio fatídico, filmado por um transeunte e visto por milhões de pessoas em todo o mundo, não deixa margem para dúvidas: Chauvin é "o mais culpado possível".

Quando Jones viu o vídeo pela primeira vez na televisão, não sabia quem era o homem deitado de bruços, sufocado pelo joelho de um policial. "Droga", pensou na época, "isso vai matá-lo!"

Logo depois, sua irmã, angustiada, ligou para ele para dar a notícia. Foi como se alguém "tivesse colocado as mãos no meu peito e arrancado meu coração", conta.

Ele garante que nunca esquecerá as imagens de seu sobrinho ofegante e implorando por sua vida.

Quanto a Chauvin, "agiu como se não houvesse ninguém ao seu redor", mesmo quando uma multidão implorara para que deixasse Floyd respirar.

Jones diz que foi como se Chauvin dissesse a si mesmo: "Posso fazer o que quiser, porque sou um policial, sou um homem branco e nós governamos o mundo".

Apesar do vídeo chocante, Jones não está otimista sobre o resultado do julgamento, que deve durar várias semanas.

Acredita que "tecnicalidades" - incluindo leis que concedem aos policiais uma considerável imunidade legal - podem ser usadas "para manipular o sistema".

"Coisas assim foram vistas ao longo do tempo e nunca funcionaram como deveriam".

O exemplo mais notório, diz ele, foi o espancamento de um homem negro, Rodney King, pela polícia de Los Angeles em 1992, após uma perseguição em alta velocidade. Embora o espancamento prolongado tenha sido gravado em vídeo, o júri absolveu três dos agentes envolvidos e não chegou a um veredicto sobre o quarto.