Últimas Notícias
INTERNACIONAL
O Quartier Latin de Paris, muito caro, perde suas livrarias
No Quartier Latin - centro de conhecimento da capital francesa desde a Idade Média - o fechamento de quatro livrarias pertencentes a uma conhecida empresa reflete os problemas de um setor que, sufocado pelos preços imobiliários, busca se reinventar

Por AFP

Crédito: Divulgação/Internet

No Quartier Latin - centro de conhecimento da capital francesa desde a Idade Média - o fechamento de quatro livrarias pertencentes a uma conhecida empresa reflete os problemas de um setor que, sufocado pelos preços imobiliários, busca se reinventar.

O "rive gauche" do Sena, o bairro onde foi fundada a Universidade Sorbonne no século XIII, abriga dezenas de livrarias: das menores, especializadas em direito ou literatura canadense, aos grandes estabelecimentos, como o de Gibert-Joseph e seus seis andares, no Boulevard Saint-Michel.

Mas hoje, essa artéria que liga as margens do Sena à Sorbonne está cheia de lojas franqueadas e não tem mais o apelo de antigamente, explica um livreiro da Boulinier, histórica no bairro.

Essa livraria, impactada pelo aumento dos aluguéis, teve que renunciar à sua loja principal no ano passado e se realocar em uma menor.

Nos últimos 20 anos, diante da acirrada concorrência das vendas online e da gigante Amazon, o número de livrarias da área - muitas delas voltadas para materiais escolares e universitários - caiu 43%, segundo dados do Atelier parisien d"urbanisme (APUR), nos distritos V e VI da capital francesa.

O Quartier Latin, epicentro da revolta estudantil de maio de 1968, continua sendo um importante centro universitário na cidade, embora atualmente menos de 10.000 alunos morem lá, de acordo com o instituto francês de estatística.

Lentamente, o centro de Paris foi despovoado e se voltou para o turismo. Paralelamente, os centros universitários estão "descentralizados" e vão sendo instalados nas periferias, observa François Mohrt, urbanista da APUR.

As próximas livrarias a deixar o bairro são históricas: o grupo Gibert, primeiro vendedor de livros independente da França - que se instalou na região há 135 anos - planeja fechar suas seis lojas Gibert-Jeune na turística Place Saint Michel no final de março, a dois passos da Catedral de Notre Dame.

Cercado por prateleiras meio vazias, um de seus 69 funcionários, que será demitido, garante à AFP: "É violento, mas também não esperávamos aguentar 10 anos".

Em 2020, a pandemia deixou este bairro sem turistas. E então, Bruno Gibert, ex-dirigente do grupo, vendeu o prédio onde ficava a principal livraria da praça. O aumento dos aluguéis acelerou esse declínio.

Para preservar o "comércio cultural" e "interromper o seu declínio", a Câmara Municipal de Paris implementou medidas para as livrarias que tivessem mais problemas, explica a vereadora responsável pelo Comércio, Olivia Polski.

O município propõe aluguéis "um pouco abaixo" dos preços de mercado, para restabelecer pequenas livrarias de bairro que podem "ser também um salão de chá", explica.

Em Paris, como em muitas outras cidades, são essas livrarias de bairro que dão esperança ao setor.

Segundo o Sindicato de Livrarias Francesas (SLF), os estabelecimentos independentes voltaram a crescer desde 2017, apesar de um pequeno retrocesso em 2020 (-3,3%) devido à pandemia.