Últimas Notícias
INTERNACIONAL
Ministro da Saúde do Paraguai renuncia pressionado por avanço da pandemia
O ministro da Saúde do Paraguai, Julio Mazzoleni, renunciou nesta sexta-feira (5) depois que o Senado pediu que ele deixasse o cargo em meio ao agravamento da pandemia do coronavírus

Por AFP

Crédito: Divulgação/Internet

O ministro da Saúde do Paraguai, Julio Mazzoleni, renunciou nesta sexta-feira (5) depois que o Senado pediu que ele deixasse o cargo em meio ao agravamento da pandemia do coronavírus.

À medida que os protestos se multiplicavam pela falta de suprimentos de saúde, Mazzoleni foi duramente criticado por legisladores, inclusive do partido no poder, e sindicatos de trabalhadores da saúde.

Nesta sexta-feira à noite, manifestações de rua contra o governo em Assunção deixaram dezenas de feridos entre policiais e opositores, observou a AFP.

Com 30 votos dos 45 senadores, a Câmara Alta emitiu uma resolução na quinta-feira pedindo ao ministro que entregue o cargo.

Mazzoleni acatou o pedido nesta sexta-feira. "É um momento em que é absolutamente necessário estarmos unidos para combater a pandemia e o interesse nacional está acima de qualquer pessoa e espero que esta decisão sirva para a união do país", declarou.

Mazzoleni se reuniu com o presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez, e mais tarde anunciou sua decisão.

O último balanço, datado de quinta-feira, apontou um total de 164.310 infecções com 3.256 mortes no país, desde o primeiro caso registrado há quase um ano.

Carlos Morínigo, pneumologista do Instituto Nacional de Doenças Respiratórias e Ambientais (Ineram), que concentra os pacientes mais graves com covid-19, disse que os hospitais "estão trabalhando muito" e que "a situação é complicada".

"Ainda mais complicado é porque não temos cabeça (ministro). Queremos que isso seja resolvido o mais rápido possível para trazer tranquilidade aos cidadãos", disse o médico em declarações aos jornalistas.

O Ministério da Saúde garantiu nesta sexta-feira o fornecimento de insumos para o tratamento de pacientes com coronavírus, segundo declarações de um porta-voz.

A entidade informou que existem quase 300 pacientes em terapia intensiva e pediu à população que reduzisse as aglomerações sociais.

"Estamos em uma situação crítica. Não estamos falando em reverter as fases de quarentena, mas vamos evitar multidões. É a única coisa que pode nos salvar do colapso do sistema de saúde", alertou Hernán Martínez, porta-voz do ministério.

hro/mls/gm/am