Últimas Notícias
POLÍCIA
Skank: sete presos em 11 dias
A Polícia Civil realizou o 3º flagrante envolvendo a maconha Skank aumentando foi para sete o número de traficantes detidos

Por Ana Cristina Andrade

Flagrante no Jardim Brasília apreendeu 16 pacotes da maconha skank, que pesaram 5 Kg

Crédito: Divulgação

Flagrante no Jardim Brasília apreendeu 16 pacotes da maconha skank, que pesaram 5 Kg

A Polícia Civil de Piracicaba, por meio da 2a. Dise/Deic, realizou na terça-feira (20) o terceiro flagrante envolvendo a maconha Skank - mais cara e com alto teor de alucinação. Com esta ocorrência foi para sete o número de traficantes que policiais desta delegacia especializada colocaram atrás das grades, num prazo de 11 dias.
No caso de terça-feira, cujo flagrante ocorreu na avenida Cássio Paschoal Padovani, no Jardim Brasília, dois homens estavam num táxi de São Paulo (Capital) com 16 pacotes desta maconha que pesaram 5 Kg - o preço total poderia variar de R$ 200 mil a R$ 350 mil, dependendo da qualidade.
Por volta das 17h, após receber informações que ocupantes de um táxi viriam de São Paulo (Capital) para entregar drogas em Piracicaba, equipes da 2a. Dise/Deic, apoiadas por homens do GOE (Grupo de Operações Especiais), esquematizaram a abordagem.
Foram além da área urbana até que, na SP-304, rodovia Luiz de Queiroz, alça de acesso para Rodovia dos Bandeirantes, surgiu um Nissan/Sentra, de cor preta, placas de São Paulo e de cores vermelhas - são utilizadas exclusivamente por táxis.
Chamou a atenção das equipes, o veículo em altíssima velocidade. Como as características se encaixavam com as do carro alvo de investigação, uma equipe passou a acompanhá-lo.
No trajeto, os policiais foram transmitindo informações com as demais equipes da 2a. Dise/Deic e do GOE, as quais montaram um cerco na avenida Cássio Paschoal Padovani e interceptaram o automóvel.
A droga estava em uma mochila. Em pesquisa aos antecedentes criminais dos dois, constou que o passageiro possui três passagens por roubo está condenado a sete anos e três meses de prisão, em regime fechado.
O motorista do táxi, embora não possuísse passagem criminal, disse ter ciência do que o passageiro transportava. Dois celulares e o carro também foram apreendidos.
Por que a Skank
O delegado Wilson Lavorenti, que chefia a Deic em Piracicaba, disse que a unidade já vinha monitorando este tipo de droga porque havia informações que, pelo valor dela, existia um grupo com condição financeira diferenciada adquirindo-a.
"Pegamos um homem que se valia de casa alugada, para o cultivo, e com estrutura própria para fugir da intervenção policial rotineira. Então, voltamos a atenção para isso e reforçamos as investigações", acrescentou.
"Depois da primeira prisão, e apreensão, consolidaram-se outras informações sobre este tipo de droga. Com isso, conseguimos fazer essas outras duas prisões. É uma droga atrativa ao traficante, por conta a maior rentabilidade", completou.
Denúncias
A Deic atende pelo telefone (19)3421-6169. O atendimento ocorre de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h.