Últimas Notícias
VALOR AGREGADO
Redução de 40%
Exportação das Indústrias da Região de Piracicaba mantém queda 'estável'

Por Adriana Ferezim

Retração. Empresas da Região compraram menos 56,5% de itens da Coreia do Sul, principal destino importador

Crédito: Christiano Diehl Neto

Retração. Empresas da Região compraram menos 56,5% de itens da Coreia do Sul, principal destino importador

Sexta-feira, 11 de setembro de 2020
O Setor Industrial da Região de Piracicaba que produz bens de valor agregado, como bens de capital (máquinas, equipamentos e automóveis) ainda sente os efeitos da retração econômica mundial por causa da pandemia da Covid-19. O impacto na Exportação desses produtos entre janeiro e agosto deste ano foi de uma redução de 40% em relação ao mesmo período do ano passado. Em 2020, o valor exportado foi de US$ 1,08 bilhão, em 2019, o valor alcançado com as vendas ao Exterior foi de US$ 1,798 bilhão, de janeiro a agosto. Os dados são do estudo sobre a Balança Comercial das Diretorias Regionais do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp).
A Região de Piracicaba tem oito cidades. Em relação às Importações, a queda foi de 36,9%, com valor de US$ 758,4 milhões em mercadorias adquiridas de outros países, entre janeiro a agosto. Em 2019, nesse mesmo período, as Importações somaram 1,2 bilhão. De acordo com o Ciesp, os principais produtos exportados foram máquinas, aparelhos e instrumentos mecânicos (62,2%), produtos químicos orgânicos (8,4%) e açúcares e produtos de Confeitaria (8,3%).
"As Importações da Regional se concentraram em máquinas, aparelhos e instrumentos mecânicos (27,4%), veículos automóveis, tratores (23,1%) e máquinas, aparelhos e materiais elétricos (12,1%)", avaliou a entidade.
O principal parceiro comercial da Região, os Estados Unidos, continua adquirindo menos produtos do que importou no ano passado. As vendas da Região aos norte-americanos somaram US$ 395,8 milhões nos primeiros oito meses de 2020, uma retração de 53,2% em relação ao igual período de 2019, US$ 845,3 milhões.
Outros parceiros como Canadá e Japão também estão comprando menos, 40,4% e 33,9%, respectivamente. O único país que aumentou compras da Região de Piracicaba foi à Índia. A Região exportou para os indianos US$ 22,5 milhões em 2020, ante a US$ 9,6 milhões em 2019, um aumento de 134,6%.
Importações
As empresas também reduziram as compras de produtos da Coreia do Sul, principal país que a Região importa. Os valores importados chegaram a US$ 245,2 milhões neste ano, de janeiro a agosto e, nesse mesmo período de 2019, foi de US$ 584,8 milhões. A redução, em 2020, foi de 56,5%. Também foram adquiridos menos produtos dos Estados Unidos (-28,7%), China (-9,5%), Chile (35%) e Paraguai (44,3%), entre outros.
De acordo com o gerente-regional do Ciesp Piracicaba, Homero Scarso, a Economia Mundial permanece em ritmo lento e isso influencia as Exportações e as Importações da Regional, por ser segmentada em produtos de maior valor agregado. "Regiões do Estado com vocação para alimentos, como soja e carne, têm obtido melhor resultado nas Exportações, com aumento da compra desses itens pela China, principalmente", afirmou.
Scarso ponderou que com o dólar valorizado há uma expectativa de que a redução da Exportação fique em 35% até o final do ano, em um cenário otimista. "Essa redução tem se mantido ao longo dos meses. Já tivemos queda de 37%, 41% e agora em 40%. Essa redução impacta na geração de empregos do Setor e qualquer perspectiva de melhora, inclusive do mercado interno estão sendo previstas para 2021", comentou.
Saiba mais
O saldo da Balança Comercial da Região de Piracicaba foi de US$ 321,2 milhões, com US$ 1,08 bilhão obtidos com a Exportação e US$ 758,4 milhões em Importação.