Últimas Notícias
POR PROVIDÊNCIAS
Falta urbanização
Moradores de Anhumas reivindicam asfalto e melhorias para Área Urbana

Por Adriana Ferezim

Na poeira. Rua Rosa Francelina de Abreu, uma das vias sem asfalto

Crédito: Divulgação

Na poeira. Rua Rosa Francelina de Abreu, uma das vias sem asfalto

Terça-feira, 4 de agosto de 2020
O bairro de Anhumas, localizado no distrito de Ibitiruna, tem aumentado a população na Área Urbana nos últimos anos e os moradores denunciam a falta de urbanização e de ações para o desenvolvimento ordenado do local. O asfalto nas vias principais e ruas é uma reivindicação antiga da Comunidade. eles sofrem com a poeira levantada pelos bitrens carregados com cana-de-açúcar que passam pelas vias principais do bairro, causando diversos transtornos e insegurança. De acordo com o Censo 2010 do IBGE, o distrito tem 2.365 habitantes, sendo 1.149 na Área Urbana e 1.216 na Área Rural.
"A situação do bairro é precária. Se faz urgente a urbanização do bairro. O crescimento tem sido desordenado nos últimos anos e vem causando sérios impactos sócio-ambientais. Cabe à Prefeitura, que tem no Plano Diretor as diretrizes para nortear o desenvolvimento da cidade. Nesse bairro distante, vivem cidadãos que têm os mesmos direitos de quem vive no Centro de Piracicaba", comentou o professor Maycon Costa, morador do bairro.
Segundo ele, há documentos da luta pela pavimentação do bairro desde 2007. "A reivindicação é mais antiga, mas foram esses documentos oficiais que a Comunidade me apresentou e pediu ajuda. O bairro não é novo, mas tem faltado mediação do Poder Público para ordenar o crescimento desse trecho mais urbanizado", disse.
Segundo ele, foi pavimentada cerca de 500 metros da Estrada 'Doutor Plínio Alves de Moraes', que atende a Região da Escola e do Posto de Saúde. Mas a via que dá continuidade a essa via, a Rosa Francelina de Abreu, não foi pavimentada. Ela recebe cascalhos e partes desses pedregulhos são arremessadas nas casas e carros estacionados, até mesmo dentro da garagem, com a passagem de caminhões pesados e carros em alta velocidade.
"Temos lombadas próximo da Escola e do parquinho. Os condutores aproveitam e correm. O ideal seria aumentar a quantidade de lombadas. Porque as ruas são estreitas, não têm calçadas e tem até poste que parece estar na rua. Fica difícil para os pedestres", afirmou o professor.
No período da seca, a Comunidade sofre com a poeira levantada pelos bitrens e diversos caminhões que transportam outras cargas também. Na época das chuvas, as estradas ficam intransitáveis. "A água da chuva e a passagem dos veículos pesados, abrem crateras nas vias, tornando-as intransitáveis", comentou.
Menos caminhões
Costa afirma que a Comunidade reivindica o asfalto como melhoria, mas que a prefeitura poderia auxiliar a verificar outra rota para os caminhões percorrerem.
"São caminhões muito grandes e pesados para circular nessa estrada que ficou estreita e muito usada por moradores e sitiantes. Há problemas com a segurança, porque o poste parece que está na rua e não no local onde seria a calçada. O tráfego de veículos é intenso nas duas estradas", disse.
De acordo com o professor, a poeira levantada por eles invade as casas causando prejuízos sanitários as famílias. "Aumenta o trabalho doméstico das mulheres, representa riscos para os pedestres pois não tem como diferenciar as calçadas da rua, trazendo transtornos que a urbanização efetiva solucionaria", ressaltou.
A Secretaria Municipal de Obras (Semob) informou, nesta segunda-feira (3), à Gazeta, que não há previsão quanto à pavimentação em Anhumas. "Não é um trecho pequeno e o valor para pavimentar é muito alto. A Prefeitura de Piracicaba, por meio da Semob, já pavimentou um bom trecho, próximo à igreja e à Escola", esclareceu, em nota.
Sobre o alto valor da obra, a Semob salientou que "a pavimentação em Anhumas só poderá ocorrer por meio de convênio com o governo estadual ou federal", disse. A Semob informou, ainda, que a manutenção no trecho em questão (as Estradas 'Dr. Plínio Alves de Moraes' e 'Rosa Francelina de Abreu', e outras vias) é frequente.