EM CONJUNTO
A queda do Sheik: Operação do Gaeco e da PC
Ação desfez organização criminosa que atuava na Região

Por Adriana Ferezim

Coletiva. Os promotores de Justiça Alexandre Andrade, André Vitor de Freitas e o diretor do Deinter-9 Kleber Altale

Crédito: Adriano Rizzo

Coletiva. Os promotores de Justiça Alexandre Andrade, André Vitor de Freitas e o diretor do Deinter-9 Kleber Altale

Quarta-feira, 11 de setembro de 2019
Foram cumpridos 68 mandados de busca e apreensão e 29 de prisão preventiva que resultaram na prisão do suspeito de ser o chefe do tráfico de drogas em Capivari (SP), conhecido como Sheik. A Operação, que leva o nome do acusado, foi realizada nesta terça-feira (10), pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público de São Paulo e Polícia Civil. Ao todo, 20 pessoas foram presas preventivamente, e outras oito foram detidas em flagrante.
De acordo com o diretor do Departamento de Polícia Judiciária do Interior 9 (Deinter 9), Kleber Altale, atuaram, em campo, 150 policiais, divididos em 45 equipes para cumprir os mandados e mais 30 policiais na formalização das ocorrências. Segundo ele, também foram apreendidos sete quilos de drogas, sendo 5,5 quilos de maconha, 1,5 quilo de cocaína e algumas porções de haxixe e crack.
"Parte das drogas já estava dividida em centenas de unidades preparadas para serem distribuídas", comentou, durante coletiva à imprensa, realizada na sede do MP em Piracicaba. Na Operação, foram apreendidos, ainda, um revólver e R$ 30 mil em dinheiro.
Os policiais tinham ordens judiciais para apreender 17 veículos que foram usados para atos ilícitos, como o transporte de drogas. Apenas oito deles foram localizados e apreendidos. Os demais veículos estão com bloqueio judicial e a investigação continua.
O promotor de Justiça André Vitor de Freitas, do Gaeco, afirmou que as investigações começaram em 2016 pelo Gaeco, quando surgiram as primeiras denúncias sobre as ações de Sheik. Também atuou a Unidade de Inteligência da Polícia Civil (UIP). "O Sheik tem familiares envolvidos na Política de Capivari e, por enquanto, não foi apurado envolvimento deles na organização criminosa. Se for contatado o envolvimento, isso será investigado", afirmou.
Líder na Região
Os presos foram detidos por participação em organização criminosa dedicada ao tráfico de drogas, corrupção, lavagem de dinheiro e outros delitos, conforme o MP. Sheik é acusado de liderar o tráfico na Região.
"As drogas vinham de Santa Bárbara D'Oeste (SP) e Hortolândia (SP). Em cada uma dessas cidades, foi cumprido um mandado de prisão preventiva. Também houve um em Americana (SP) e outro em Rio das Pedras (SP). Os demais foram todos em Capivari. Basicamente era nessa região que o Sheik e seus comparsas agiam", relatou Altale.
Durante o período de investigação, a Polícia Militar e a Guarda Civil chegaram a efetuar diversas apreensões de drogas e prisões dos traficantes. O Gaeco identificou 45 pessoas entre integrantes da organização e apoiadores. A organização era estruturada. Um caderno com anotações do tráfego também foi apreendido na Operação.
Os membros dessa organização também comandavam estabelecimentos comerciais para dar vazão aos recursos obtidos com o tráfego, como loja de roupa, lava-rápido, lanchonetes, restaurantes, eventos musicais, dentre outros. 
As investigações prosseguirão para atingir outras frentes de atuação da organização criminosa, principalmente em relação à corrupção de agentes públicos (policiais civis e militares, servidores públicos municipais), lavagem de dinheiro e exploração de jogos de azar.
Saiba mais
Dentre os integrantes da organização criminosa comandada por Sheik estão pessoas com extenso histórico de envolvimento criminal, incluindo homicídio, tráfico de drogas, roubo e associação para o tráfico, além de alguns integrantes da organização criminosa conhecida como PCC, disse o MP.