O PROBLEMA
Buracos e borrachudos
Por toda a cidade, há remendos mal feitos que prejudicam o tráfego

Por Adriana Ferezim

Buracos causam irritação e reclamação de muitos motoristas, além de riscos de acidentes

Crédito: Del Rodrigues

Buracos causam irritação e reclamação de muitos motoristas, além de riscos de acidentes

Terça-feira, 19 de março de 2019
O tráfego de veículos na cidade está prejudicado em diversas Regiões por causa dos buracos. Eles aumentam, nesse início do ano, por causa da chuva. O problema acontece todos os anos. Mesmo assim, o poder público não consegue fazer um planejamento para evitar que ocorram em grande quantidade. A Prefeitura confirmou que, desde fevereiro, está sem contrato com empresa para o serviço de tapa-buraco na área urbana. Está ativa a equipe da Secretaria Municipal de Obras (Semob) que faz o reparo pontual do pavimento asfáltico.
A licitação para contratação de uma empresa para realizar o tapa-buraco ainda não foi concluída. Foi aberta no início do ano e está previsto investimento de até R$ 3,5 milhões para a execução dos serviços de conservação da via pública. No último dia 7, na habilitação das empresas concorrentes, uma delas apresentou recurso. A prefeitura aguarda prazos legais para concluir o processo e não indicou data.
Além do risco de acidentes, os buracos podem causar danos aos veículos. Geram ainda desconforto ao dirigir. A Gazeta foi a alguns locais indicados por leitores, como na rua dos Narcisos, no bairro Nova Piracicaba. Um morador reclamou que um buraco aberto para reparo da rede de água ou esgoto ainda está sem asfalto, causando transtornos.
Na avenida Comendador Luciano Guidotti, além dos buracos no pontilhão de acesso à avenida 31 de Março (sentido Centro-Bairro), há buracos e borrachudos na altura do número 2.300 e 2.500, no sentido Bairro-Centro. Na avenida Professor Alberto Vollet Sachs, perto da entrada de um supermercado, há um buraco e um borrachudo, onde o asfalto, aparentemente remendado, estaria afundando.
Ao longo dessa via, mais quatro borrachudos ocorrem até a rotatória com a avenida Rio das Pedras. No bairro Santa Cecília, na rua Luciano Gallet, esquina com a Padre José Maurício, há um buraco e um remendo mal feito. O reparo ficou elevado e mesmo assim, foi pintado com sinalização.
Há pequenos buracos na avenida Pádua Dias, sentido Bairro-Centro, como também ocorrem antes do início da Ponte 'Walter Acorsi' (shopping), sentido Centro-Bairro. Na avenida Limeira, em frente à Faculdade de Odontologia (FOP/Unicamp), o asfalto parece que afundou e, poucos metros à frente, há um grande buraco antes do início de uma parte do pavimento feita em concreto.
Em diversas ruas e avenidas há tampas de PV (poço de visitação/bueiros), abaixo do nível do asfalto, o que faz com que pareçam buracos. No cruzamento com a rua Cristóvão Colombo, com a rua Sebastião Rodrigues Pinto, no bairro Algodoal, há ao menos cinco buracos.
Na avenida Barão de Serra Negra, no bairro Vila Rezende, há um buraco na altura do número 400, na faixa da direita. Na avenida Limeira, sentido Vila Rezende-Limeira, em frente a uma agência de veículos, há buraco. Ainda nessa via, há três buracos na curva para acesso à ponte. Na rua Cristiano Cleopath, em um único quarteirão, entre as ruas São João e Santa Cruz, há sete buracos, grandes e pequenos.
Segundo a Prefeitura, a chuva tem atrapalhado a equipe da Semob a realizar os serviços emergenciais enquanto a licitação não é concluída, porque o reparo só pode ser feito com o asfalto seco. A administração não respondeu sobre a fiscalização e conserto dos remendos mal feitos.