CARTÃO-POSTAL?
Parque do Mirante ainda abandonado
Turistas ficam assustados e chocados com o estado do espaço

Por Marcelo Rocha

Árvores caídas formam barreiras para turistas nas alamedas do Parque do Mirante

Crédito: Del Rodrigues

Árvores caídas formam barreiras para turistas nas alamedas do Parque do Mirante

Quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019
O turista de primeira viagem a Piracicaba desconfia que o Parque do Mirante seja um dos cartões-postais da cidade. Já faz tempo que o espaço público às margens do rio convive com o abandono e a falta de conservação. Para piorar, as tempestades da semana passada derrubaram árvores que, desde então, continuam caídas por lá. Há um ano, a falta de cuidados no parque foi tema de uma reportagem na Gazeta, que na época listou problemas como lixeiras quebradas, falta de pintura, muros pichados e outros. A situação parece ter piorado.
A poucos metros da entrada principal do Parque do Mirante, seguindo pela alameda principal o visitante logo se depara com uma enorme árvore e parte de um bambuzal caído sobre o trajeto destinado aos pedestres. Depois de driblar essas barreiras caídas, o turista que decidir acessar um patamar inferior (com uma vista melhor para o rio) depois de descer uma escada trincada encontra outra árvore, de aproximadamente 15 metros, caída sobre muretas e metade de seu tronco apontada na direção do Salto.
"Eu não vinha aqui há anos, mas não imaginei que o Mirante estivesse nesse estado de completo abandono. Tudo isso é muito triste para Piracicaba, porque o turista vem aqui e faz mau juízo da cidade, não tenho dúvidas disso", disse a professora Joana Brito, 35 anos de idade, que passeava pelo parque com o filho Thiago, de quatro anos de idade.
Para o engenheiro civil, Marcos Navas, 53 anos de idade, "as tempestades até derrubam árvores, mas o maior estrago de espaços públicos como esse é provocado pelo descaso e pelo abandono do poder público", diz o turista, que reside em Cerquilho (SP)
Sedema responde
Questionada, a Secretaria Municipal de Defesa do Meio Ambiente (Sedema) informou que "os parques, de forma geral, e principalmente os de grande notoriedade, são frequentemente vistoriados pelos encarregados da pasta, que fazem o levantamento de obras prioritárias, como é o caso do Parque do Mirante". Além disso, com frequência é feito o trabalho de poda de segurança e vistoria das condições fitossanitárias das árvores, disse a Sedema.
"Este ano, após os temporais foi feito um levantamento que, em seguida, foi encaminhado ao Setor de Arborização para o serviço de poda e recolhimento das árvores. O serviço está na programação da empresa terceirizada para ser executado".
A pasta ainda comunicou que o serviço é de "complexidade", já que em alguns pontos do Parque do Mirante esse trabalho "é limitado pelo difícil acesso das máquinas pesadas". Após a execução dos serviços pelo Setor de Arborização, o Setor de Resíduos deve executar a limpeza do local.