LEVANTAMENTO OFICIAL
Menos 1.550 vagas na Indústria Local e Regional
Nível de emprego registrado em dezembro foi o pior neste mês, desde 2013

Por Marcelo Rocha

Homero Scarso, do Ciesp

Crédito: Del Rodrigues

Homero Scarso, do Ciesp

Segunda-feira, 21 de janeiro de 2019
Desde 2013, foi o pior mês de dezembro no que diz respeito a postos de trabalho na Indústria de Piracicaba e região. O último mês de 2018 contabilizou o fechamento de, aproximadamente, 1.550 vagas de emprego - que equivale a uma variação negativa de 3,23%. O dado consta do levantamento mensal que mensura a performance do setor industrial de Piracicaba e de outros sete municípios vizinhos, divulgado, na última sexta-feira (18), pela Diretoria Regional do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), o Ciesp Piracicaba.
“Até novembro, o saldo era positivo (1,1 mil empregos), mas em dezembro perdemos 1.550 postos. Assim, fechamos o ano de 2018 com menos 450 postos”, declarou Homero Scarso, gerente-regional do Ciesp Piracicaba. Scarso ressaltou que a redução dos 1.550 postos está intimamente ligada ao fim da safra de cana-de-açúcar, período no qual as empresas dispensam funcionários contratados para o período.
“Desse total, praticamente mil postos estão relacionados ao término da safra, ou seja, quase dois terços”, comparou. Em 2018, acrescenta o gerente-regional, o final da safra foi postergado por diferentes “intempéries”. “A chuva atrasou o término da safra. Normalmente ela termina entre outubro e novembro”.
Em abril, quando a safra foi iniciada e o setor sucroenergético abriu suas contratações, foi registrado o pico do ano. O quarto mês de 2018 fechou positivo com 1.150 postos de trabalho (variação positiva de 2,48%). Ao longo do ano passado, oitos dos 18 setores industriais atuantes em Piracicaba fecharam no azul, ou seja, com a geração de postos.
Scarso destacou os setores de máquinas e equipamentos e de veículos automotores e autopeças, que encerraram 2018 com variações de 7,41% e 6,38%, respectivamente. “Esses setores carregaram os números até novembro de forma extremamente positiva. Sem eles, este número (-1.550) estaria muito pior”, observou.
As 35 Diretorias Regionais do Ciesp no Estado de São Paulo fecharam o mês de dezembro com índices negativos, algo aparentemente “inédito”, especulou Scarso. “Não teve uma que se salvou”, lamenta o dirigente. Piracicaba ficou com a 29ª pior colocação deste ranking das subsedes da Ciesp. Em todo o Estado, foram fechados 38,5 mil postos de trabalho durante 2018, observou a Ciesp/Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo).
'Piracicaba tem um ‘cenário diferente'
Na opinião de Scarso, Piracicaba é uma cidade que possui um “cenário diferenciado” no que diz respeito ao seu Parque Industrial. Segundo o gerente-regional, a cidade possui uma diversificação de companhias industriais que, de certa maneira, garante o equilíbrio na oferta/redução de vagas de trabalho.
“Piracicaba tem segmentos que estão se destacando independente destas questões políticas, mas sim devido a suas estratégias mercadológicas e de planejamento. E esse ‘mix’ de empresas aqui tem um forte viés exportador”, analisou Scarso. A expectativa do empresariado com o início do novo governo, ainda em fase de assentamento, é otimista, reiterou Scarso.
“Porém, tem que se implementar as mudanças. O Congresso ainda não está trabalhando, então as propostas e encaminhamentos ainda terão que passar por análises e votações. Portanto, só teremos uma radiografia melhor a partir de março, porque ainda estamos num momento de expectativas mas de indefinições políticas”, comentou.