TESTE RÁPIDO
Aumentam os casos de sífilis entre jovens
O Caphiv começou a realizar teste rápido, gratuito, para o diagnóstico

Por Adriana Ferezim

Teste rápido de sífilis

Crédito: iStock

Teste rápido de sífilis

Quinta-feira, 11 de outubro de 2018
O Caphiv (Centro de Apoio aos Portadores do Vírus HIV/Aids e Hepatites Virais) de Piracicaba começou, nesta quarta-feira (10), a realizar teste rápido para diagnóstico da sífilis, doença sexualmente transmissível (DST). É um mal silencioso, causado por uma bactéria e acomete as pessoas há séculos. Voltou a ser considerada epidemia, conforme a entidade, e tem acometido mais os jovens. Esse público representa 38,1% do total de pessoas diagnosticadas com a doença na cidade, desde 2010.
São ao todo 597 casos, sendo 228 jovens na faixa etária de 20 a 29 anos. Os dados são da Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal da Saúde e foram divulgados nesta quarta-feira. Entre os casos confirmados de 2010 até esta quarta-feira, 79 foram em pessoas dos 10 anos aos 19 anos de idade, 162 (30 a 39 anos de idade), 62 (40 a 49 anos de idade), 43 (50 a 59 anos de idade), 20 (60 a 69 anos de idade) e três, entre pessoas com mais de 70 anos de idade.
A Campanha de Testagem Rápida de Sífilis do Capihv será promovida durante todo o mês. Nestas quinta-feira (11), sexta-feira (12) e deste sábado (14) ao dia 19 de outubro, o teste será oferecido gratuitamente na sede da entidade, localizada à rua Tiradentes, 404, Centro, das 8 horas às 17 horas.
Depois será oferecida a testagem nas Unidades de Saúde de cinco bairros da cidade: Boa Esperança (dia 23, das 14 horas às 17 horas); Jardim Oriente (dia 24, das 14 horas às 17 horas); Bosques do Lenheiro (dia 26, das 14 horas às 17 horas); Monte Líbano, das 13 horas às 17 horas) e no distrito de Ártemis (dia 31, das 14 horas às 17 horas).
Haverá uma ação no dia 20 e o local ainda está sendo definido pela ONG. Na praça José Bonifácio, a testagem será das 14 horas às 17 horas, no dia 25, e, na praça do Terminal Central de Integração (TCI), será no dia 30, das 9 horas às 16 horas.
A ação é motivada pelo Dia Nacional de Combate à Sífilis, que acontece todos os anos, no terceiro sábado de outubro.
“O objetivo é conscientizar toda a população sobre a prevenção da doença e principalmente os jovens que estão sendo mais acometidos, porque são os que menos se previnem nas relações sexuais. O aumento de casos fez a doença voltar a ser considerada epidemia. O tratamento é simples e barato. Conseguimos com apoio de empresas e entidades de classe, 400 testes para a população”, disse Eliel da Fonseca, coordenador da campanha da ONG.
Fonseca ressaltou que idosos também estão sendo contaminados com a doença. Há 23 casos de pessoas com mais de 60 anos de idade, diagnosticadas desde 2010.
“Muita gente não procura atendimento médico nos primeiros sintomas, que são pequenas feridas, erupções na região genital e dermatite nas palmas das mãos e dos pés. Depois ela fica silenciosa por 20, 30 anos e volta na fase secundária e terciária, mais graves”, explicou.
Segundo ele, a preocupação também é com as gestantes, porque a doença pode ser transmitida ao bebê de forma congênita. Desde 2010, Piracicaba registrou 447 gestantes com a doença. A maior incidência foi em 2017, com 69 casos. Neste ano, até esta quarta-feira, foram diagnosticadas 59 grávidas com sífilis. Em 2010, foram 15. Foram identificados 54 casos de sífilis congênita em crianças menores de um ano, na cidade, desde 2010. Quatro, neste ano. Em 2016, houve maior incidência com 14 diagnósticos. Em 2017, foram três.