CALMA E PACIÊNCIA
Orientação sobre consumo de água em São Pedro
Morador que voltar a adotar uso inadequado poderá ser multado

Por Da Redação

Ricardo Bunscheit orienta sobre consumo consciente de água

Crédito: Divulgação

Ricardo Bunscheit orienta sobre consumo consciente de água

Quinta-feira, 9 de agosto de 2018
O assunto pode ser, literalmente, "árido", mas a missão de Ricardo Bunscheit, funcionário do Saaesp (Serviço Autônomo de Água e Esgoto de São Pedro) é justamente reverter esta situação. Todos os dias, ele percorre vários pontos da cidade em uma moto. Ao se deparar com uma situação de desperdício de água - como lavagem de calçadas ou áreas externas da casa com mangueira, por exemplo - para a moto e vai conversar com o morador.
"Com muita calma, paciência e uma dose bem generosa de educação, converso com as pessoas, destacando a importância de não desperdiçar especialmente no período de estiagem como o que estamos vivendo", contou Ricardo. A "receita" gera resultados positivos. "90% das pessoas são receptivas", informou Ricardo.
Um dos exemplos bem-sucedidos foi a recepção da técnica em Meio Ambiente Cláudia Capreci, moradora do bairro Mariluz. "Acho essa iniciativa excelente. A abordagem é feita de uma maneira muito positiva", disse. Para Cláudia, esse tipo de atitude ajuda a despertar a consciência coletiva. "A água é essencial para todos e o planeta está gritando por socorro", destacou.
O funcionário do Saaesp faz, em média, 15 abordagens por dia desde que a ação teve início, no dia 19 de julho. As práticas mais observadas são a utilização de mangueira para lavar o quintal e a calçada. "Peço a colaboração de todos, lembro que o racionamento pode ser evitado se todos fizerem a sua parte e que a economia de água também vai trazer benefícios financeiros", relatou Ricardo.
A principal motivação é de orientação, mas a legislação prevê a possibilidade de multa. O morador que foi orientado e voltar a adotar uso considerado inadequado para o período de estiagem pode ser multado em R$ 109,61. A reincidência gera multa de R$ 164,41. A legislação prevê até corte do fornecimento de água para aqueles que insistirem na prática.