PODER DE CURA
Terapia alternativa em ação no Cedic de Piracicaba
Grupo de voluntários leva conforto aos pacientes por meio do Reiki

Por Daniele Ricci/Divulgação

O método começou a ser oferecido há três anos por um grupo de voluntários

Crédito: iStock

O método começou a ser oferecido há três anos por um grupo de voluntários

Quarta-feira, 11 de julho de 2018
Muito comuns no Oriente há milênios, as terapias alternativas chegam a ganhar quase um status religioso no Ocidente, tamanha é a quantidade de pessoas que as seguem e estudam. Uma das terapias mais comuns - e de benefício cientificamente comprovado - aplicadas atualmente é o Reiki, que se baseia na crença da energia vital universal, manipulável pela imposição das mãos.
Pacientes do Cedic (Centro de Doenças Infectocontagiosas), de Piracicaba, contam com essa alternativa para ampliar o poder de cura em seus tratamentos. O método começou a ser oferecido gratuitamente há três anos por um grupo de voluntários. O trabalho foi inicialmente aplicado no pessoal interno, entre funcionários, médicos, enfermeiros e outros profissionais que atuam no Cedic.
Depois, com a aceitação e compreensão do método por todos, passou a ser oferecido aos frequentadores. Embora o serviço seja bem aceito, dificilmente o usuário mantém uma frequência e é essa situação que o coordenador de Vigilância em Saúde do município, Moisés Taglietta, responsável pelo Cedic, quer melhorar.
"Acredito que essa baixa adesão se deva ao fato das pessoas terem que se deslocar até o Cedic, o que nem sempre é possível. Mas temos que considerar a importância de tratamentos que auxiliem na saúde mental e as terapias alternativas que colaboram para essa melhora".
Taglietta informou que os voluntários são bastante comprometidos e, mesmo que a frequência de pacientes seja baixa, os benefícios da terapia são bastante evidentes e isso se comprova na mudança positiva de comportamento dos próprios funcionários. "Quando começamos a oferecer o Reiki, uma exigência foi que os funcionários participassem para compreender e sentir o bem-estar no próprio organismo, para depois indicarem aos pacientes", contou.
Melhoria nos relacionamentos interpessoais, na postura comportamental, equilíbrio emocional para o trato com os próprios pacientes, são algumas das transformações notadas entre os funcionários com a aplicação do Reiki, segundo o coordenador.
Bom exemplo
O Cedic conta com cerca de nove mil prontuários ativos, atende aproximadamente 3,5 mil pessoas mensalmente com relação a doenças como tuberculose, hanseníase, hepatites virais, ISTs (Infecções Sexualmente Transmissíveis) e outras infecções contagiosas. Desse total, duas mil pessoas estão em tratamento de Aids ou HIV.
"A Aids é uma doença da alma, pois interfere muito na vida do paciente, provocando grande revolta quando há a descoberta e imensa tristeza e depressão quando há evolução da doença. Mas temos exemplos de aceitação a partir dos tratamentos terapêuticos e, somadas a isso, das aplicações de Reiki", informou Taglietta.