DADOS DO CIESP
Indústria abre em abril 1,2 mil vagas
O setor sucroenergético alavancou a criação de empregos formais

Por Adriana Ferezim

Fábio Vitti, diretor-titular do Ciesp Piracicaba, e Homero Scarso, gerente-regional

Crédito: Del Rodrigues

Fábio Vitti, diretor-titular do Ciesp Piracicaba, e Homero Scarso, gerente-regional

Quinta-feira, 17 de maio de 2018
Piracicaba é destaque estadual e ocupa a terceira posição na geração de empregos na Indústria em abril. Foram 1,2 mil vagas geradas no mês passado, crescimento de 2,56% com relação a março, e é o quarto mês consecutivo com saldo positivo no estudo que verifica o Nível de Emprego Industrial, que no Estado, apurou a geração de 9,5 mil postos de trabalho. Os dados locais foram divulgados, nesta quarta-feira (16), pelo Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), Regional Piracicaba.
O diretor-titular da entidade, Fábio Vitti, ressaltou que o resultado de abril foi o melhor para esse mês, desde 2013. Segundo ele, aproximadamente metade dos 1,2 mil empregos criados, aproximadamente metade deles foram abertos pelo setor sucroenergético (produtos alimentícios com crescimento de 9,94%, em abril, com relação a março), motivado pela necessidade de mão de obra com o início da safra da cana-de-açúcar e a produção em alta do etanol.
Os demais postos de trabalho foram divididos pelas empresas do setor de veículos automotores e autopeças (1,87%) e máquinas e equipamentos (0,44%). 
“O resultado positivo é visto com cautela porque o crescimento está contínuo na região, mas ele ocorreu pela sazonalidade da safra e as demais Indústrias ainda estão contratando por causa do mercado externo. O mercado interno dificilmente reagirá, porque esse ano é atípico. Temos Copa do Mundo e eleições. É como se a retomada do crescimento estivesse ainda em gestação, até que nasça para o crescimento ou fique na estagnação. A insegurança política ainda dificulta investimentos”, afirmou.
Entre os 14 setores industriais analisados, sete tiveram resultado positivo em abril, quatro estáveis e três foram negativos: produtos têxteis (-0,78%), celulose e papel (-1,13%) e produtos minerais não-metálicos (-0,39%). No ano, Piracicaba acumula saldo de 1.550 postos gerados, o mesmo resultado desse período de 2017.
No acumulado dos 12 meses, gerou mais 500 empregos e no mesmo período de 2017, o saldo era negativo em 2,2 mil vagas. A primeira colocada no Estado foi Franca, com crescimento de 2,97% em abril e em segundo lugar ficou Sertãozinho (+2,58%). As piores foram Jaú (-2,22%), Santos (-1,86%) e São Caetano do Sul (-1,37%).