FÓRUM MUNDIAL
Exemplo da Bacia dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí
Ações de planejamento e investimentos serão compartilhadas

Por Adriana Ferezim

Francisco Carlos Castro Lahóz, secretário-executivo do Consórcio PCJ

Crédito: Del Rodrigues

Francisco Carlos Castro Lahóz, secretário-executivo do Consórcio PCJ

Quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018
No pré-fórum realizado nesta terça-feira (20), pelo Consórcio PCJ, Comitês PCJ e Agência PCJ, as instituições mostraram que estão prontas para participarem e compartilharem as ações de gestão dos Recursos Hídricos que tornaram as Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ), uma referência para o País, para a América Latina e para a Europa. O evento reuniu autoridades e técnicos, no auditório da Fundação Municipal de Ensino de Piracicaba (Fumep), para um debate sobre a importância da água para a vida e todas as atividades humanas.
“A realização do Fórum Mundial no Brasil é um sonho realizado, resultado de um trabalho que começou em 2012, em Marselha. Vamos apresentar como nos organizamos como Bacia e as boas práticas que desenvolvemos, os bons resultados que tivemos, como a redução de 40% das outorgas concedidas nas Bacias, que significam 50% da capacidade do Sistema Cantareira que deixa de ser retirado dos mananciais. Também o nosso planejamento que, ao longo desses 25 anos de atuação resultou numa elevação de 75% do tratamento de esgoto nas 76 cidades das Bacias PCJ”, afirmou Francisco Carlos Castro Lahóz, secretário-executivo do Consórcio PCJ e conselheiro do WWC.
Segundo ele, a escolha da Fumep para a realização pré-fórum foi proposital. “Foi nesse local, em 1983, que tudo começou. Foi a partir da apresentação de um plano para a Bacia do rio Piracicaba pelo Daee, que um grupo de docentes, resumiu o projeto e começou todo o desenvolvimento da elaboração do Consórcio PCJ, vieram os Comitês, os planejamentos, as discussões técnicas, a participação da sociedade, a cobrança pelo uso da água e todas as demais ações que temos como objetivo compartilhar com outras regiões do País e com os países da América Latina”, afirmou.
Toda a ação foi motivada porque Piracicaba lutava pela defesa do rio que dá nome à cidade. “Imagina que nos anos 1980, 1,5 mil pessoas participaram da fundação da praça do Protesto Ecológico, ato que simbolizou a luta pela recuperação da água do nosso rio, penalizado pelo avanço industrial e populacional, principalmente de Campinas. Somos a última cidade da Bacia, recebíamos o esgoto in natura de toda a região. Com a contribuição dos técnicos, prefeitos, deputados, plano de Recursos Hídricos atualizado a cada cinco anos, conseguimos aprimorar nossas políticas públicas, que devem continuar sendo melhoradas. Mas faremos uma excelente participação no Fórum Mundial”, afirmou o presidente dos Comitês PCJ e prefeito de Piracicaba, Barjas Negri (PSDB).
Do debate, participaram João Freire, da Comunicação do 8º Fórum, de Murilo Sant’Anna do Consórcio PCJ como moderador, Malu Ribeiro (SOS Mata Atlântica), Rogério Menezes (Secretário de Meio Ambiente de Campinas), Ana Lúcia Floriano Rosa (Câmara Técnica de Educação Ambiental dos Comitês PCJ), Lahóz, Alexandra Martins, promotora de Justiça do Gaema PCJ, e Sebastião Bosquilha, secretário-executivo-adjunto dos Comitês PCJ.
Maior evento de Recursos Hídricos
O 8º Fórum Mundial da Água será realizado entre os dias 18 e 23 de março, em Brasília (DF), pelo Conselho Mundial da Água (World Water Concil/WWC), Ministério do Meio Ambiente, com apoio da Agência Nacional de Águas (ANA) e de outros parceiros. O evento acontecerá pela primeira vez no Hemisfério Sul e tem como tema 'Compartilhando Água'.
De acordo com a ANA, o Fórum 'oportuniza um diálogo mundial, aberto e democrático, para estabelecer compromissos políticos relacionados à água'. 'Também incentiva o uso racional, conservação, proteção, planejamento e gestão deste recurso'.
Durante o evento, os participantes poderão participar de atividades e discussões em diversas vertentes, tais como água e energia, economia, alimentos, cidades e ecossistemas, debates políticos entre autoridades governamentais e parlamentares, grupo focal de sustentabilidade; e interagir no Fórum Cidadão. Mais informações, no site: www.worldwaterforum8.org.