O CORDÃO DA ALEGRIA
Mestre Ambrósio continua arrastando multidões
Aos 87 anos de idade, ele desfilou com o Bloco que o homenageia

Por Adriana Ferezim

O Mestre Ambrósio, célebre, sem perder a humildade e a perseverança

Crédito: Antonio Trivelin

O Mestre Ambrósio, célebre, sem perder a humildade e a perseverança

“Acho que sou uma inspiração para muita gente. Busco a alegria. Me sinto jovem, tenho mais amigos novos do que de mais idade. A gente que vive sozinho não pode ficar fechado em casa. Essa homenagem é muito boa, mas principalmente porque aqui todos são amigos”, afirmou Ambrósio Martins Caldeira, 87 anos de idade, minutos antes de entrar no quarteirão da rua Luiz de Queiroz, onde estava a concentração do Cordão que o homenageia há 10 anos.
Os foliões sentiram a sua falta, porque em 2017, ele quebrou o braço e não pôde participar. Também por esse motivo, ele foi recebido com muitos aplausos, abraços e pedidos de selfies pelos participantes do Bloco e fotos pela imprensa. Ambrósio é uma celebridade a seu modo.
Com simplicidade, sorriso largo e distribuindo alegria, ele motiva famílias inteiras, pessoas de todas as idades a se divertir em uma hora de desfile entre a praça da Boyes e o Largo dos Pescadores.
Foi a sua paixão por dançar - hábito que tinha com sua esposa, já falecida - que o tornou conhecido na boemia piracicabana. Foi a participação de Ambrósio nos bailes de forró, nas rodas de samba da cidade, que motivaram o músico Juca Ferreira e outros amigos a criarem o Cordão, em sua homenagem, em 2008.
“Na primeira edição, nós esperávamos 60 pessoas e reunimos 300. Hoje em dia, não importa saber a quantidade, mas a qualidade do público e da ocupação que é feita do espaço público, da praça, das ruas. Esse Bloco valoriza a história das pessoas, como Ambrósio, e também conscientiza como a sociedade pode aproveitar os espaços que a prefeitura consegue proporcionar”, disse Pablo Carajol Delvage, um dos organizadores.
Juca Ferreira e outros músicos formaram a Banda do Cordão do Mestre Ambrósio e animaram com marchinhas os foliões, além da música composta para o evento deste ano, 'Ambrósio 2018: 10 Anos de Alegria'. Uma das participantes, que levou um dos estandartes, Michele Golçalves, 41 anos de idade, afirmou que sempre participa do Bloco por causa do “seu” Ambrósio. “Ele está presente em todos os lugares, dança com a gente e faço questão de vir homenageá-lo”, disse.
Para Marcos Correia, 40 anos de idade, e sua esposa, Rafaela Di Iglia, 35 anos de idade, o ambiente do Bloco, que é familiar, os fizeram voltar pela segunda vez, com a filha Alice, dois anos. “Viemos no ano passado quando ela tinha um aninho. Gostamos muito do Cordão e aqui encontramos muitos amigos”, afirmou Correia.
O percurso do Bloco, além de Ambrósio, motivam Kátia Mestriner, 52 anos de idade, a participar todos os anos do Cordão. Ela o recebeu na concentração com um forte abraço. “Ele é uma graça de pessoa e o maior exemplo do que é um Carnaval popular e familiar. Gosto muito de descer com o Bloco e passar pela a avenida Beira Rio. É emocionante ver o rio Piracicaba com toda essa alegria e harmonia”, afirmou.
A musa do Cordão, Fabiana Ferraz, participa há 10 anos do desfile. “Ele resgata o Carnaval dos Blocos, das famílias reunidas e é uma festa que sempre está em transformação. A cada ano chegam pessoas novas e as que estão desde o início permanecem”, afirmou.
Amigos da Banda
O tradicional Trio Elétrico 'Amigos da Banda', que toca ao vivo antigas marchinhas de Carnaval, com a participação de músicos da Banda União Operária, desfilou pela rua Governador Pedro de Toledo, e nos bairros Paulista e Vila Rezende. “A Banda tem como objetivo mostrar a alegria do Carnaval, de forma simples e com a família”, disse Ídico Pellegrinotti, o Deco, um dos participantes.
Os foliões chamaram o público para a folia nas áreas de Comércio e foram retribuídos. Sérgio Fortuoso, superintendente da Acipi, entidade que apoiou a Banda, foi o 'puxador' das marchinhas. “As Bandas estão se acabando em Piracicaba, mas o Trio Elétrico 'Amigos da Banda' está crescendo”, disse Deco.