PRÉDIO ADMINISTRATIVO
Manifesto e 'abraço' em apoio à Unimep
Ações foram agendadas para o dia 13 deste mês, pela manhã

Por Da Redação

O prédio administrativo da Unimep, campus Taquaral

Crédito: Christiano Diehl Neto

O prédio administrativo da Unimep, campus Taquaral

Quarta-feira, 6 de dezembro de 2017
O prefeito Barjas Negri (PSDB) recebeu, nesta terça-feira (5), representantes do 'Fórum Permanente em Defesa' da Universidade Metodista de Piracicaba (Unimep). Num primeiro momento, o chefe do Executivo pediu informações sobre os rumos do movimento e, em seguida, propôs duas ações. A primeira é um abraço simbólico a um prédio da Unimep, já agendado para o dia 13, às 9 horas, no campus Taquaral.
E o segundo é a elaboração de um manifesto de apoio da sociedade à universidade, que será assinado pelas principais lideranças da cidade. Segundo o professor Milton Schubert, membro do Fórum, a situação da Unimep é preocupante para professores, funcionários e alunos.
Todos estão temerosos quanto aos seus futuros. Além disso, não há segurança jurídica quanto aos rumos da instituição e não há um diálogo franco. Ele garante que a instituição não cumpre nem o que é acordado na Justiça do Trabalho. Isso tem gerado uma insegurança geral, já refletida no vestibular deste ano, que teve apenas 1,5 mil inscrições e pouco mais de mil alunos participantes, que não significa que farão matrícula.
O prefeito Barjas Negri explicou ao grupo que, logo no início da crise, conversou com o diretor-geral da Rede, professor Robson Campos de Aguiar e, posteriormente, com o novo reitor da Unimep, professor Fábio Botelho Josgrilberg, na tentativa de entender a situação. E, novamente, se colocou à disposição para novas tratativas com Aguiar e Josgrilberg ou com representantes da Igreja Metodista.
O manifesto da sociedade piracicabana em apoio à Unimep será elaborado, segundo o prefeito, em uma parceria da Prefeitura, da Câmara e do Fórum. Para o próximo dia 13 de dezembro está previsto o abraço simbólico à Unimep, às 9 horas, no campus Taquaral, com as participações de lideranças municipais que foram ou ainda são estudantes da Unimep. A intenção é a de abraçar o Prédio Administrativo. O slogan é “Eu Abraço a Unimep”.
O vereador, maestro Jonson de Oliveira (PSDB), explicou o apoio da Câmara e o envolvimento do Poder Legislativo na crise da universidade. Ele aproveitou a fala para justificar a ausência do presidente Matheus Erler, que está também envolvido na luta desde o seu início e dirigiu a reunião da Frente na Câmara.
Já o ator, diretor e jornalista, José Antonio Chapéu da Silva, disse que a decisão de procurar o Poder Executivo, no caso, o prefeito Barjas Negri, foi para fortalecer o movimento em defesa da instituição.
Segundo ele, “a Unimep está para a cidade, como Piracicaba está para a Unimep”. O assessor jurídico da presidência da Câmara, Mauro Rontani, se comprometeu a transmitir ao presidente da Casa, Matheus Erler (PTB), a sugestão anunciada pelo prefeito Barjas. 
João Manoel dos Santos, presidente da Associação dos Funcionários da Unimep, explicou que a situação da categoria que representa é preocupante, porque não há diálogo e continuam os atrasos de pagamento, não recolhimento do FGTS, manutenção do vale-alimentação, entre outros.