RECICLAGEM DE ELETRÔNICOS
Projeto arrecada 1,2 mil equipamentos
Boa parte do montante descartado será vendida para uma empresa

Por Marcelo Rocha

Voluntários organizavam os equipamentos, dos mais variados, descartados pela população

Crédito: Antonio Trivelin

Voluntários organizavam os equipamentos, dos mais variados, descartados pela população

Do porta-malas de um Gol começaram a desembarcar rádio-relógio, antigas e robustas máquinas de somar Facit, máquinas de escrever e, acredite, até um saudoso mimeógrafo - para quem não conheceu, essa coisa foi uma espécie de tataravô das impressoras modernas. Tudo isso se juntou a uma pilha de equipamentos descartados, que estava sendo organizada e separada por um grupo de voluntários.
No último sábado (17), foi realizada a segunda edição do Projeto 'Recitrônico - Reciclagem de Eletrônicos', iniciativa dos oito Rotary Clubes de Piracicaba que prevê a destinação correta deste tipo de "lixo". No total, foram arrecadados 1,2 mil equipamentos. Boa parte do montante descartado será vendida para uma empresa especializada na reciclagem de eletrônicos, enquanto que outra (aqueles que ainda funcionam!) será vendida num bazar a ser organizado pela instituição.
A coleta começou às 9 horas e seguiu até as 15 horas. Até as 11 horas, mais de 300 aparelhos de toda espécie já haviam sido entregues na Casa da Amizade, na avenida Luciano Guidotti.
O "show room" do descarte reunia computadores, impressoras, ventiladores, liquidificadores, caixas de som, celulares, gravadores e toda sorte de dispositivos que foram bastante úteis, principalmente, no século passado. No final da tarde, os organizadores deram um balanço da ação. "Recebemos, no total, uns 1,2 mil equipamentos, sendo mais de 300 celulares", conta Jaime Alexandre de Lima Curcio, membro do Rotary Clube Vila Rezende.
O representante comercial Jonas Bizetto, 54 anos de idade, desapegou de sua TV Philips de tubo, de 24 polegadas. "Ela ainda funciona, mas tem uma faixa preta no meio da tela. E como já comprei uma nova, acho que chegou a hora de me desfazer dela", conta. "A cidade precisava ter mais locais para descarte desse tipo de equipamento, incluindo pilhas e lâmpadas", sugere.
"Todas essas máquinas são bem velhinhas", diz Marli Maria, funcionária da Chácara Nazareth que foi incumbida, pela patroa, a levar os equipamentos relatados no início do texto à Casa da Amizade. "É interessante ajudar o meio ambiente e fazer essas coisas circularem", afirma.
O engenheiro de segurança Robson Muniz, 35 anos de idade, também estava com o porta-malas de seu Uno entupido de equipamentos de informática que seriam descartados. "São PCs, impressoras, monitores, estabilizadores e outros equipamentos que não têm mais uso", relata o empresário, que é dono de uma empresa de recuperação de dados.
Início
Idealizamos esse Projeto 'Recitrônico' após uma reportagem, que li em fevereiro, que mostrou que o Rotary Clube de Apucarana (PR) coletou quatro toneladas de lixo eletrônico. Então, decidimos realizar uma campanha similar", diz Guilherme Rossi Machado, membro do Rotary Clube de Piracicaba - Povoador.
A primeira edição do Recitrônico, realizada dia 27 de maio, recolheu aproximadamente 300 equipamentos, o equivalente a 832 quilos de sucata eletrônica. "Acho que as pessoas começaram a entender que é preciso dar um destino adequado a esses materiais", afirma Vitor Pires Vencovcky, rotariano que é presidente da Associação das Empresas de Tecnologia de Piracicaba e Região (Atepi), que é uma das apoiadoras do projeto.